Diversos Fins de Mundo

O mundo pós-apocalíptico é um tema recorrente na literatura de ficção científica e fantasia. Não discorrerei sobre os motivos disso, posto que não sou psicanalista e nem crítico literário, mas quando eu mesmo escrevi sobre o tema, foi pelo atrativo de praticar uma abordagem “tabula rasa” sobre o mundo e começar a fazer as coisas funcionarem como eu desejava. Minhas leituras das obras do gênero, porém, me levaram a crer que muitos autores cometem erros impressionantes ao criarem suas histórias, simplificando excessivamente os processos e as realidades derivadas do “apocalipse” escolhido. Este artigo pretende ser uma análise destas limitações, ressaltando que não são todas as obras que cometem estes erros, mas a frequência deles torna útil sua discussão. […]

A Virgem do Sabá

Jovita emba­lava a menina nos bra­ços e Jerônimo as con­tem­plava, entre embe­ve­cido e des­con­fi­ado. Lembrou da noite em que a conhe­cera, não teve receios nem remorsos — sen­tiu-se, na verdade, cheio de orgu­lho de ter sido tão homem e recos­tou na cama, arfando o peito como se os pulmões inflassem dentro de uma estreita gaiola enferrujada e dezenas de nava­lhas subis­sem com a res­pi­ra­ção. Fechou os olhos, igno­rou o cheiro dos remé­dios e dos chás, e sentiu-​se de novo na noite da Serra dos Caramonos.[…]