Obras Ininteligíveis

Vamos combinar uma coisa: não existem obras “altamente intelectuais” em que o autor não consegue passar sua mensagem e não há obras “com grande carga emocional” com as quais o leitor não consegue se identificar.

A própria definição de intelectualidade exige clareza. Uma obra inteligente é inteligível. Pode ser que não seja inteligível para mim, por me faltar bases teóricas ou experiência de vida para captar o que ela diz, mas obscura não é.

O adjetivo que se deve dar a obras “em que o autor não consegue passar a mensagem” é “ruins”.

Da mesma forma “obras com grande carga emocional” com as quais o leitor não se identifica. Se a obra é emocionante então emociona, simples assim. Pode ser que não emocione igualmente a todos, porque pessoas diferentes se emocionam com coisas diferentes. Mas não se pode crer que a obra seja vazia de emoções se tanta gente diz que ela emociona.

Se a obra não consegue emocionar ninguém, além de ruim é chata.

Mas, mais uma vez, o fato de eu não entender e nem me emocionar não necessariamente quer dizer que a culpa é da obra. Eu não tenho o direito de avaliar o mundo a partir de minha capacidade de entender. O mundo continua depois do horizonte. Ou, de forma mais rude: o mundo não é limitado pela minha ignorância.

É impossível banhar-se duas vezes no mesmo rio, conforme disse Heráclito. Muda o rio, que constantemente flui, e mudamos nós. A obra não muda, mas nós mudamos, então não a entenderemos da mesma maneira.

Por isso o crítico deve ter grande humildade para se acercar daquilo que não entende, e até mesmo do que acha que entende. Nada é mais tentador do que descartar o que não alcançamos, como a raposa da fábula. Mesmo uma opinião ousada precisa deixar uma porta entreaberta. Se não para tentar uma reaproximação, para nos deixar uma rota de fuga.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *