Três Temas Difíceis

Entre os vários gêneros literários que me atraem existem três que são particularmente de minha preferência: ficção científica, ficção histórica e realismo fantástico. São, porém, três gêneros que eu pouco ouso praticar, devido às inúmeras dificuldades envolvidas em cada um deles. Na ficção científica existe o problema da imaginação: é necessário ser um bom futurólogo,…

Declarações Sobre o Imposto de Renda

Se as pessoas gostasem de pagar, não precisaria ser imposto. Os funcionários do Imposto de Renda escolheram o leão como símbolo não foi à toa: é um bicho que mete medo, mas que vive somente a comer a carne dos outros. Mais do que isso: o leão macho come a carne que lhe entregam as…

Algumas Palavras Sobre a Obra de William Hope Hodgson

Vocês que acompanham este blog devem ter notado que iniciei um projeto de tradução do romance “The House on the Borderland”, a que intitulei “A Casa no Fim do Mundo” (o título significaria, literalmente, “A Casa Sobre a Fronteira”, mas isto faria pouco sentido para o leitor, razão porque preferi mudar). Como a obra é…

Lamento da Musa Clássica

Poetas são artistas. Sensatos, sensíveis. Sensacionalmente incensados, mas simples-          -mente pessoas que vivem, que mentem, que são aquilo ensaiam em sonhos, que sonham aquilo que ensaiam de dia. Alguns temem fantasmas, outros atacam moinhos. Alguns amam à morte, outros se acabam no vinho. Todos que escrevem se acham demais. Loucos demais, gênios demais, sofridos…

Mais Compreensão do que Estudo…

Não é a primeira vez que eu vejo esse tipo de opinião circular pelo mundo. Mas desta, como apareceu na Internet, percebi que era preciso comentar. A história tem tantos lados quanto podemos imaginar. E, na boa, história exige mais compreensão do que estudo: decorar datas é mais fácil que compreender os fatos nelas ocorridos….

Descobri que sou um caipira

Quando eu era criança, ser chamado “caipira” era praticamente um xingamento. Equivalia a ser chamado de “ignorante”, “abobalhado” ou “ingênuo”. Piadas de caipira eram muito mais fortes que as de português. Talvez isso se explique pelo fato de que nós, os habitantes da Zona da Mata de Minas Gerais sermos descendentes de colonos provenientes, principalmente,…

O Mundo Não Vai Acabar

Quando ocorre uma tragédia de grandes dimensões humanas, algo infelizmente frequente, há muitos que se apressam em dizer que “este mundo está é perdido” e que nós vivemos o suposto “final dos tempos”. Quem estuda a História da humanidade a fundo sabe muito bem que jamais deixou de haver este conceito tão popular, de que…

Pensamentos Sobre o Silêncio

Nenhuma música até hoje escrita faz jus à riqueza do silêncio. As notas musicais podem ser capazes de evocar os mais estranhos sentimentos, mas não conseguem oferecer ao ouvido e à alma a sensação de delicioso esvaziamento que só se obtem na profundidade do silêncio. Afirmo isso a partir da experiência de ser um raro…

Momentos Que Marcam

Na vida existem aqueles momentos que se tornam definitivos, para o bem ou para o mal. Olhando em retrospecto, você identifica: antes daquele dia eu ainda era um bobão, desde esse dia eu mudei para melhor, descobri naquela semana que eu amava aquela mulher, etc. Na maioria das vezes essas mudanças acontecem sem que consigamos…

Meu Encontro com a Magra

Cheguei de viagem cansado, ansioso por dormir. Deixei meu carro na garagem e saí pela noite anódina e sem lua. O ar estava profanado pela chuva ainda recente, exalando uma catinga de morrinha de cachorro molhado e os meus pés chapinhavam nas poças de água barrenta que salpicavam as calçadas. No céu parcialmente limpo algumas…

…E Acreditam nas Flores Vencendo o Canhão

Há um verso de profundo desencanto no [hoje maldito] hino dos “Anos Rebeldes” brasileiros. Ao criticar de forma velada o movimento hippie (e outros movimentos de paz e amor), Geraldo Vandré constatou: “pelas ruas marchando indecisos cordões que ainda fazem da flor seu mais forte refrão, e acreditam nas flores vencendo o canhão.” Há uma…

Jesus Me Guiou

Eram tempos bicudos na vida, eu tive de vender meu carro. Já não era grande coisa: um fusca 1976 amarelo-ovo que eu detestava. Mesmo assim, vendê-lo doeu na alma. Doeu porque era um gesto simbólico da profunda decadência em que estava. Tinha sido quase rico, tinha comprado carro do ano, mas andaria a pé. Como…