Uma Brevíssima e Amadora Análise do Conto Medieval Português «A Dama Pé de Cabra».

Incluído nos “Livros de Linhagens” da nobreza lusitana está um breve relato sobre a família de Diego Lopes, que inclui uma personagem que ficou célebre: a misteriosa mulher montanhesa com pés de cabra. Tata-se de uma história interessante por envolver profundamente as fantasias populares lusitanas (e estas fantasias, claro, ecoam na nossa própria cultura). Aspectos culturais Como se verá, a deficiência física (um pé deformado) era um sinal de deficiência moral. A Dama Pé de Cabra é apresentada como uma espécie de bruxa, e o […]

Sobre Preconceito Linguístico — Parte 3 de 3

É difícil compreender as razões pelas quais tantas pessoas rejeitam de forma tão ríspida um ensino progressista do português, baseado nas descobertas da Linguística e da Pedagogia. Certa­mente as razões disto envolvem ideologia, pois um ensino que não discrimine os falares populares ameaça uma estrutura de humilhação das classes oprimidas. Então, por se oporem à inclusão social e ao progresso do ensino, erguem bandeira de guerra contra qualquer indício de que se está buscando uma abordagem não Preconceituosa do fenômeno linguístico. O caso recente do […]

Sobre Preconceito Linguístico — Parte 2 de 3

Na semana passada comecei a falar sobre o preconceito linguístico que grassa em nosso país de uma forma particularmente intensa. Lembrei que a Linguística é uma ciência estabelecida solidamente há mais de duzentos anos, com copiosa produção de conhecimento, mas que persiste uma profunda ignorância sobre seus aspectos mais básicos, ignorância alimentada pelos meios de comunicação, que somente dão espaço ao discurso retrógrado e pseudocientífico daqueles que rejeitam o conhecimento científico por razões ideológicas. Perguntei também por que razão pessoas que são céticas de várias […]

Sobre Preconceito Linguístico — Parte 1 de 3

Nos últimos anos tem estado muito em evidência o debate sobre o “preconceito linguístico”, notadamente desde que um homem do povo (e por isso xingado de “apedeuta” por uma mídia preconceituosa e elitista) chegou ao poder. Tal debate é, porém, feito por leigos e para leigos, nunca, jamais, em hipótese alguma permitindo que os especialistas tenham o mesmo destaque que os palpiteiros. Fala-se sobre a língua, sem nunca sequer mencionar que existem linguistas. O que é mais ou menos como conversar sobre doenças sem mencionar […]

Como Tornar-me Definitivamente um Não Imortal

Introdução Houve uma época, há não muitos séculos, em que o termo “academia” tinha um prestígio inabalável. Era, também, um tempo no qual as pessoas se sentiam muito identificadas com a monarquia, por razões as mais diversas, principalmente religiosas.1 Eram tempos brutos, nos quais a fogueira ou os instrumentos de tortura (quando não ambos) eram o destino de pessoas que não pensavam de acordo com a regra dominante. Eram tempos nos quais uma pessoa poderia passar a vida inteira em uma prisão para doentes mentais2 […]

Autores Embriagados

Notas para minha participação na mesa redonda sobre o tema “A embriaguez como inspiração artística ainda se justifica?”, ocorrida no dia 11 de novembro de 2011 no III Festival Literário de Cataguases. Esta postagem ocorre com tamanho atraso porque, em virtude de problemas que eu estava enfrentando com o meu computador, perdi duas vezes o texto revisado que já estava quase pronto para postar. A Licença Poética basicamente significa que o autor tem a prerrogativa de escrever como queira, sobre o que desejar. Então o […]

Retornado do FELICA

Tal como no ano passado, compareci ao Festival Literário de Cataguases. Este ano, além de tietar eu também tive a oportunidade de falar umas bobagens com um microfone na mão enquanto alguém filmava para pôr no sítio oficial. Ao meu lado estava Miklós Palluch, que também estreia no romance, como eu, mas — ao contrário deste mineiro interiorano — padece de muito mais cultura, experiência de vida e contatos. Fiquei bastante feliz de ver que minha campanha de divulgação foi relativamente bem sucedida. Embora tenha […]

Não Vamos às Estrelas, Baby…

Há anos um parágrafo escrito por Howard Phillips Lovecraft não me sai da cabeça. Já o devo ter traduzido uma dezena de vezes, para postar em duas ou três dezenas de lugares. Aqui vai a décima primeira tradução, como introito deste artigo que, mais uma vez, me alijará de alguns amigos e leitores: A coisa mais misericordiosa no mundo, creio, é a incapacidade da mente humana para interligar todos os seus conhecimentos. Vivemos em uma plácida ilha de ignorância em meio aos mares negros do […]

Medida Áurea e Páginas Confortáveis

Algumas pessoas que andaram lendo meu já antigo post sobre construção de página usando a medida áurea (que sempre está entre os favoritos do blob, mesmo não sendo uma obra literária) me perguntaram qual a finalidade de tal trabalho. Como toda pergunta inocente, merece uma boa resposta. Eu já tinha sinalizado no artigo que em nosso país as pessoas estão mais acostumadas a tentar economizar papel do que a pensar na página de texto como algo que será lido. Mas tem algo ainda pior, as […]

As Núpcias Alquímicas de um Mago e seu Público

Entre as muitas coisas polêmicas que me encasquetam a cabeça a respeito de temas literários reside uma em particular que me tem inquietado muito: o significado de Paulo Coelho para a literatura de um modo geral e para o mercado editorial de forma mais específica. Acredito que o mago tenha se tornado uma personalidade que ninguém pode ignorar, sob pena de ser ignorante. Podemos amá-lo ou odiá-lo, mas não podemos mais fingir que ele não existe. Infelizmente, muita gente finge. E muita coisa não se […]