Desafio Mundos Paralelos

O per­fil “Mundos Paralelos”, da Editora Abril, atra­vés de sua conta no Wattpad.com está acei­tando ins­cri­ções até o dia 15 de maio para par­ti­ci­par de uma anto­lo­gia de fic­ção espe­cu­la­tiva. As regras con­forme o link acima. Embora eu seja nor­mal­mente avesso a con­cur­sos e con­ven­cido de que nunca ganha­rei nenhum, resolvi par­ti­ci­par pela pers­pec­tiva de tra­var conhe­ci­mento com gente que real­mente está no mer­cado edi­to­rial (e não em grá­fi­cas que se tra­ves­tem de edi­to­ras). Como não há requi­sito de ine­di­tismo, indi­quei como meu cam­peão para […]

Por que que a gente é assim?

Mais uma vez? É claro que eu ’tô a fim. Parodio Cazuza para dizer que o escri­tor bra­si­leiro parece não se can­sar de ser humi­lhado. Não basta pra­ti­car uma arte con­si­de­rada “fácil” por quase todo mundo que não a pra­tica, não basta que con­si­de­rem a lite­ra­tura algo supér­fluo “com tanta gente pas­sando fome” e tam­pouco basta que veja­mos as pra­te­lei­ras de nos­sas livra­rias ocu­pa­das majo­ri­ta­ri­a­mente por uma espé­cie de subli­te­ra­tura cagada sobre nós pelo sis­tema hegemô­nico em que esta­mos inse­ri­dos. Nada disso basta, temos de […]

Por que Chorar Pelo Nobel?

Todo ano, quando sai o nome do ven­ce­dor do Prêmio Nobel de lite­ra­tura, há uma pequena dis­cus­são em torno da razão pela qual o Brasil não ganha (nem mais é cogi­tado). Esse ano acon­te­ceu nova­mente e segue não havendo muita dúvida sobre as razões de não ser­mos con­tem­pla­dos (o único autor de Língua Portuguesa a sê-​lo foi o Saramago, que não somente é por­tu­guês como pouco se parece com um por­tu­guês “nor­mal” a jul­gar por seus escri­tos). À parte o fato de que há muito […]

Chega uma Hora em que Cansa

Esta semana eu me dei conta, pela pri­meira vez na vida, do quanto estou can­sado de uma série de coi­sas, entre elas de escre­ver. Sim, eu escrevi mais um conto, acho até que ficou bom — bem melhor do que os que eu escre­via na época em que gos­tava de fazer isso — mas a expe­ri­ên­cia não me gra­ti­fi­cou sufi­ci­en­te­mente. Desde que me mudei para a nova casa, tudo me tem sido mais tra­ba­lhoso, o dinheiro anda curto por causa das refor­mas que tenho que fazer, o cami­nho ficou […]

Resenhas Indelicadas: Devaneios Improváveis

Este é o título de uma cole­tâ­nea que acaba de ser lan­çada pelo blog Entre Contos, con­tendo 18 tex­tos dos par­ti­ci­pan­tes dos pri­mei­ros seis desa­fios lite­rá­rios por lá pro­mo­vi­dos. Aparentemente, o cri­té­rio de sele­ção se baseou na colo­ca­ção dos tex­tos nos resul­ta­dos finais de cada desa­fio, o que me parece uma deci­são acer­tada, se o obje­tivo do lan­ça­mento é o que penso ser: a divul­ga­ção do blog, dos desa­fios por ele pro­mo­vi­dos e dos auto­res que deles par­ti­ci­pam. Sendo assim, a cole­tâ­nea é um retrato […]

Sobre Plantar no Asfalto

Tomei recen­te­mente uma deci­são um tanto polê­mica, que tal­vez ten­si­one alguns rela­ci­o­na­men­tos vir­tu­ais meus. Trata-​se de algo que já penso há algum tempo, mas sobre o qual só con­ver­sei com pou­cas pes­soas. Decidi aban­do­nar a par­tir de hoje uma boa parte de minha atu­a­ção na inter­net e nas redes soci­ais. Disto resul­tará eu par­ti­ci­par menos em comu­ni­da­des lite­rá­rias e não mais entrar nos desa­fios lite­rá­rios do blog Entre Contos. Não é uma deci­são impen­sada e ela não é moti­vada por nada que tenha acon­te­cido nos […]

Gelo Negro

Fjálar saiu de casa ainda em jejum em outro dia cin­zento de outono. Não estava feliz, haviam ligado da dele­ga­cia avi­sando que Oláfur não fora tra­balhar e teria de fazer a patru­lha mati­nal com algum novato. Dormira mal. Doíam-​lhe os joe­lhos, doíam-​lhe as cos­tas, doía-​lhe a alma. Tudo de que não pre­cisava era ten­tar acom­pa­nhar um novato ani­madinho. Por isso regur­gi­tou algu­mas ofen­sas ao mal­dito beber­rão e seus ante­pas­sa­dos. Ele esta­ria cer­ta­mente em casa de res­saca, depois de outra noite de apos­tas e de envol­vi­men­tos […]

Agora que a Máscara Caiu

Terminado o con­curso de novem­bro da “Entre Contos”, a iden­ti­dade secreta do autor de “[Gelo Negro]http://letraseletricas.blog.br/lit/lit/2013/12/gelo-negro/” foi reve­lada, e agora esta­mos pron­tos para algu­mas refle­xões que se fazem neces­sá­rias. A esta altura mui­tos dos lei­to­res já deve­rão ter per­ce­bido algo de estra­nho neste conto — os comen­tá­rios indi­cam que alguns deles acer­ta­ram o alvo. Acho que cabe, agora, pres­tar alguns escla­re­ci­men­tos, se bem que eu não acre­dito que serão lidos. Este texto é uma sátira “Gelo Negro” foi con­ce­bido como uma tese para demons­trar a certo tipo […]

Inversão da Terapia

Eram ainda sete e meia da manhã quando a faxi­neira deu o grito e os segu­ran­ças apa­re­ce­ram no cor­re­dor do ter­ceiro andar do Edifício Atlante. Havia um homem sen­tado no chão diante da porta do con­sul­tó­rio do Dr Jair Lima, psi­có­logo rela­ti­va­mente obs­curo e fama duvi­dosa. Um homem bem ves­tido e limpo, mas de apa­rên­cia trans­tor­nada, que gague­java quase sem con­se­guir falar.[…]

Queremos seus Direitos Morais

Eu juro que tento me con­cen­trar em escre­ver os meus tex­tos em vez de me pre­o­cu­par com as últi­mas polê­mi­cas da inter­net, mas o mundo anda muito louco e nada mais me espanta, se eu te con­tar esta his­tó­ria o cabelo levanta.1 Os con­cur­sos lite­rá­rios nor­mal­mente são irre­le­van­tes (embora não tanto quanto os fes­ti­vais de música popu­lar), e os pou­cos que não o são ten­dem a ter regu­la­men­tos tão sur­pre­en­den­tes que a gente tem que se per­gun­tar o que vai na cabeça de seus orga­ni­za­do­res. […]

Como Ensinar Literatura a uma Criança?

Este domingo me ofe­re­ceu um desa­fio lite­rá­rio inco­mum: minha filha me pediu que lhe aju­dasse a escre­ver uma reda­ção para um con­curso. Gabriele tem, aos dez anos, toda a inge­nui­dade e a fan­ta­sia de uma cri­ança que ainda não per­deu a pureza. Ela ainda não conhece quase nada das difi­cul­da­des da vida, das frus­tra­ções, des­sas coi­sas que nos fazem des­per­di­çar sor­ri­sos e cabe­los com o pas­sar dos anos enquanto vemos esgotarem-​se todas as opor­tu­ni­da­des que tínha­mos sonhado. Por isso ela acha que é pos­sí­vel, da […]

O Jurado de Carvalho

Semanas depois de pro­ta­go­ni­zar o ter­ceiro escân­dalo suces­sivo rela­ci­o­nado ao Prêmio Jabuti, o “Jurado C”, o crí­tico pau­lista Rodrigo Gurgel, final­mente deu a sua ver­são dos acon­te­ci­men­tos. Foi justo a imprensa dar-​lhe voz, depois das sema­nas que pas­sou sendo malhado como judas em Sábado de Aleluia. O crí­tico teve sua opor­tu­ni­dade de dar suas opi­niões, justificando-​se ou não. Muita coisa ficou escla­re­cida, mas em outros casos a emenda foi maior estrago que o pé que­brado do soneto. Com a auto­ri­dade de ser a nuli­dade lite­rá­ria que sou, atrevo-​me a comen­tar o que ele disse, mais uma vez me esme­rando em meu tra­ba­lho de quei­mar todas as pos­sí­veis pon­tes que me fizes­sem cru­zar o Rubicão lite­rá­rio.