Desafio Mundos Paralelos

O per­fil “Mundos Paralelos”, da Editora Abril, atra­vés de sua conta no Wattpad.com está acei­tando ins­cri­ções até o dia 15 de maio para par­ti­ci­par de uma anto­lo­gia de fic­ção espe­cu­la­tiva. As regras con­forme o link acima. Embora eu seja nor­mal­mente avesso a con­cur­sos e con­ven­cido de que nunca ganha­rei nenhum, resolvi par­ti­ci­par pela pers­pec­tiva de tra­var conhe­ci­mento com gente que real­mente está no mer­cado edi­to­rial (e não em grá­fi­cas que se tra­ves­tem de edi­to­ras). Como não há requi­sito de ine­di­tismo, indi­quei como meu cam­peão para […]

A Terra da Noite

Estamos no futuro. A data é des­co­nhe­cida, por­que a cro­no­lo­gia da huma­ni­dade já se per­deu… várias vezes. A huma­ni­dade já foi grande e já se des­truiu, mais de uma vez. Explorou o uni­verso durante milha­res de anos, e brin­cou com fogo… e se quei­mou. Agora tudo isso pas­sou. Os tem­pos de orgu­lho aca­ba­ram. Os últi­mos milhões que ainda se con­si­de­ram “huma­nos” vivem acu­a­dos em um castelo-​fortaleza, o Último Reduto da Humanidade. A Grande Pirâmide, cons­truída do perene Metal Cinzento que nenhum Monstro rom­peu. Cercada pela […]

Notas da Tradução de “A Terra da Noite”

Texto intro­du­tó­rio que pre­tendo incluir na publi­ca­ção de minha tra­du­ção de “A Terra da Noite”, de William Hope Hodgson, que estou por ter­mi­nar. Esta é a tra­du­ção pos­sí­vel para “A Terra da Noite”. Não é uma tra­du­ção lite­ral, embora não che­gue a ser uma “recon­ta­gem” como as anti­gas publi­ca­ções de clás­si­cos da lite­ra­tura fei­tas pela Ediouro. Há um pro­vér­bio ita­li­ano segundo o qual os tra­du­to­res são neces­sa­ri­a­mente trai­do­res, seja da forma seja do espí­rito do ori­gi­nal com que tra­ba­lham. Traduttore, tra­di­tore e o que resta […]

O Método Asimov

O amigo João Gerônimo dos Santos se mos­tra espan­tado com um texto em que Isaac Asimov des­creve o pro­cesso de cri­a­ção do épico “Fundação”. Não pela sua difi­cul­dade, mas pela forma como o autor o apre­senta: sem gla­mour e sem divina cen­te­lha (tam­bém conhe­cida como “ins­pi­ra­ção”). Para Asimov, o pro­cesso foi algo assim: Eu tinha um encon­tro com o Sr Campbell para con­ver­sar sobre o enredo de um novo livro, mas o pro­blema é que, até a reu­nião come­çar, eu não tinha enredo nenhum pre­pa­rado. […]

Impressões da Leitura de Contos de Philip K. Dick

Há muito tempo Philip K. Dick figura na minha lista de auto­res favo­ri­tos, por causa da mira­bo­lante con­fu­são que são os seus con­tos. Aproveitando o tempo livre das férias, resolvi pôr em dia a lei­tura de vários livros adqui­ri­dos nos últi­mos dois anos e que esta­vam em minha estante cri­ando poeira. Entre estas lei­tu­ras, a de duas cole­tâ­neas de con­tos de PKD, um de meus auto­res favo­ri­tos: “O Vingador do Futuro” — cole­tâ­nea opor­tu­nista lan­çada pela Editora Paulicéia na época do filme de mesmo nome e adqui­rida […]

Mais Coisas Para Não Fazer se Você se Tornar um Vilão Malvado

Além das Cem Coisas Para Não Fazer Se Você Se Tornar um Vilão Malvado, Peter Anspach reco­lheu mais de 150 outras suges­tões, um pouco menos bri­lhan­tes, mas tam­bém inte­res­san­tes. Esta pos­ta­gem con­ti­nua de onde a outra parou, acres­cen­tando mais 86 lem­bre­tes para você que pre­tende domi­nar o mundo, ou pelo menos um reino. Não orde­na­rei ao meu ofi­cial de con­fi­ança que mate o menino que está pre­des­ti­nado a me der­ru­bar — eu mesmo o mata­rei. Não per­de­rei tempo ten­tando fazer a morte de meu ini­migo pare­cer um […]

Diversos Fins de Mundo

O mundo pós-​apocalíptico é um tema recor­rente na lite­ra­tura de fic­ção cien­tí­fica e fan­ta­sia. Não dis­cor­re­rei sobre os moti­vos disso, posto que não sou psi­ca­na­lista e nem crí­tico lite­rá­rio, mas quando eu mesmo escrevi sobre o tema, foi pelo atra­tivo de pra­ti­car uma abor­da­gem “tabula rasa” sobre o mundo e come­çar a fazer as coi­sas fun­ci­o­na­rem como eu dese­java. Minhas lei­tu­ras das obras do gênero, porém, me leva­ram a crer que mui­tos auto­res come­tem erros impres­si­o­nan­tes ao cri­a­rem suas his­tó­rias, sim­pli­fi­cando exces­si­va­mente os pro­ces­sos e as rea­li­da­des deri­va­das do “apo­ca­lipse” esco­lhido. Este artigo pre­tende ser uma aná­lise des­tas limi­ta­ções, res­sal­tando que não são todas as obras que come­tem estes erros, mas a frequên­cia deles torna útil sua dis­cus­são. […]

O Barco de Milhões de Anos

“Não vamos às estre­las, baby” — assim come­çou o dis­curso do capi­tão. “Em vez disso, vamos impe­dir que o ini­migo vá.” Os sol­da­dos, irre­qui­e­tos, nada per­gun­ta­ram. Era bom saber que os capi­tães e coro­néis sabiam o que fazer. Pena que não sou­bes­sem. “Ordinário, mar­che!” E a tropa aden­trou o deserto em busca do ini­migo impos­sí­vel, mar­chando deze­nas de léguas sob o sol cada vez mais forte, até cada um deles cair, de fome e sede ou tru­ci­dado em con­fli­tos pre­vi­sí­veis diante do deses­pero. Na ver­dade a mar­cha […]

Tradução: Vulthoom (C.A. Smith)

“Vulthoom” é uma nove­leta de Clark Ashton-​Smith escrita e publi­cada em 1935 e per­ten­cente ao breve ciclo de his­tó­rias mar­ci­a­nas do autor, nas quais geral­mente temos o [desas­troso] encon­tro de ter­rá­queos com os peri­gos e enig­mas do pla­neta Marte, aqui cha­mado de Aihai. Além de “Vulthoom” este ciclo é com­posto pelos con­tos “O Habitante do Abismo” (The Dweller in the Gulf) e “As Criptas de Yoh-​Vombis” (The Vaults of Yoh-​Vombis), além de um conto cha­mado “A Muda Marciana” (The Seedling of Mars), no qual não […]

Resenha: Vulthoom e o Ciclo Marciano de Clark Ashton-​Smith (Sem Spoilers)

Clark Ashton-​Smith foi um poeta e autor de fic­ção fan­tás­tica ame­ri­cano, amigo e cor­res­pon­dente de H. P. Lovecraft e de uma penca de outros auto­res famo­sos. Apesar de seu ine­gá­vel talento, pas­sou a maior parte de sua vida na pequena cidade de Auburn, fazendo tra­ba­lhos bra­çais para sobre­vi­ver. Morreu em 1961, sem filhos. Sobre sua obra, já escrevi um artigo que seria bom ler antes deste. Vulthoom per­tence ao curto ciclo das his­tó­rias que Ashton-​Smith ambi­en­tou em um Marte fan­tás­tico que deve muito à con­cep­ção […]

Branca de Neve no Século XLIV

Meu nome será “Leon”. Não lhe darei outro. Mais deta­lhes não impor­tam. O que já vou lhe con­tar será sufi­ci­ente para me cau­sar pro­ble­mas demais na vida. De qual­quer forma, não é muito impor­tante saber quem eu sou. Saiba ape­nas que eu sou um estu­di­oso de lín­guas anti­gas. Esta espe­ci­a­li­dade me levou a tra­ba­lhar no Projeto. Precisavam de alguém que fosse capaz de inte­ra­gir com os rea­ni­ma­dos. Formei-​me em Línguas Mortas na Universidade #2, no Continente Ocidental. É uma pro­fis­são sem pres­tí­gio. Línguas mor­tas não […]

Sobre a Possibilidade de Colonização de Vênus

Recebi um comen­tá­rio do Antônio Luiz Monteiro C. da Costa sobre o conto “Resi­dente em Vênus”, no qual ele dizia que meu conto não pode­ria nem de longe ser con­siderado fic­ção cien­tí­fica “hard” por várias razões. Algumas das razões que ele apon­tou real­mente são inques­ti­o­ná­veis, como o fato de que tal tipo de fic­ção se con­centra mais em tec­no­lo­gias do que em inte­ra­ções entre indi­ví­duos ou soci­e­da­des. Mas existe uma razão que ele apon­tou que me pare­ceu defen­sá­vel: que a minha des­crição de Vênus não […]