O Fascínio do Latim

Os homens de lodo e de sono
aguardam o fim da última vela
repetindo com vozes defuntas
suas preces de cor sem sentido.

O fascínio do latim está perdido
e a força do fantástico apagou-se,
nenhum Aquiles romperá o nada
para lutar contra palavras ocas.

A Torre de Marfim sofreu o golpe,
os que nela vivem se espantam,
mas as plantas crescem sem Platão
e os pássaros não ouvem Nietzsche.

De dentro do esterco nasce a rosa,
de dentro dos ruídos, porém, nada.
Nada nas cores deste dia a certeza
de que este esterco é estéril.

Os frisos de Atenas são vendidos
em cópias plásticas baratas,
tenho Tutancâmon em um quadro
e o Discóbolo num livro.

E tudo tem o seu lugar correto,
nesta catedral de gostos mortos
e de dons postiços.

Não tenho memória de ter sido,
mas tenho palavras com que cavo
saudades falsas de enfeite para o livro.

Belas palavras que acendem-me
a vontade de ter acontecido,
mas isso não basta que me faça
mais que um tolo com sede de sentido.

Comentários do Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *