Há tão pouca gente que ame as paisagens que não existem!

Suzanne, Cara ou Coroa

Acabo de saber pela inter­net que Suzanne Richtho­fen, presa há doze anos pela morte de seus pais, escre­veu à Juíza de Exe­cu­ções Penas que lhe auto­ri­zou o regime semi-​​​​aberto um pedido de adi­a­mento de sua pro­gres­são de pena. O sim­bo­lismo do ato, em suas cir­cuns­tân­cias espe­cí­fi­cas, me tor­nou pen­sa­tivo. São várias as cama­das de perguntas […]

Téc­ni­cas Esque­ci­das de Escrita

Em Home­na­gem a Sér­gio Fer­rari, do blog Astro­miau. Dadaísmo Lique­feito Se o romeno Tris­tan Tzara recor­tava pala­vras do jor­nal para sorteá-​​​​las ale­a­to­ri­a­mente e assim pro­du­zir poe­sia, o mineiro Walito Girão batia pági­nas de diá­rios em um liqui­di­fi­ca­dor, bem rapi­da­mente, e depois des­pe­java o ema­ra­nhado sobre uma car­to­lina. Tinha uma grande van­ta­gem sobre o método dadaísta […]

A Here­sia da Pizza Caseira

A pizza é um ali­mento dos deu­ses. Não digo isto por­que seja excep­ci­o­nal­mente deli­ci­osa, mas por­que são neces­sá­rios atri­bu­tos (e equi­pa­men­tos) ver­da­dei­ra­mente divi­nos para prepará-​​​​la. Equi­pa­men­tos que só exis­tem em tem­plos sagra­dos onde ver­me­lho e verde com­bi­nam. Ten­tar orga­ni­zar um culto domés­tico desta igua­ria é um sacri­lé­gio recom­pen­sado com desas­tre. A huma­ni­dade desen­vol­veu várias tentativas […]

A Dama Pé de Cabra

Con­forme pro­messa antiga, eis minha pri­meira ten­ta­tiva de trans­for­mar a antiga lenda por­tu­guesa da Dama Pé de Cabra em um conto de ter­ror ao gosto moderno. Pre­ser­vei o tra­ta­mento em segunda pes­soa para dar um ar medi­e­val ao texto (que é, de fato, ambi­en­tado na Idade Média), e pro­cu­rei evi­tar, ao máximo, toda moder­ni­za­ção que […]

Rotei­ri­za­ção de HQ

Então um belo dia eu escrevi A Mara­vi­lhosa His­tó­ria do Sr. Som­bra e da Senho­rita Raio de Luar (um título hor­rí­vel para um conto que sem­pre pos­suiu um bom poten­cial « cult ». Por se tra­tar de uma his­tó­ria que ao mesmo tempo sati­riza e refe­ren­cia vários cli­chês e per­so­na­gens de his­tó­rias em qua­dri­nhos, eu sem­pre pensei […]

Mapas, Car­tas, Diá­rios e Outras Antiguidades

Ocorreu-​​​​me ontem, ao ler mais uma sinopse de romance, o quanto nós ainda esta­mos pre­sos ao pas­sado de for­mas que não per­ce­be­mos. Os índios do Xingu tem um con­ceito que expressa bem isso. Segundo nar­rou Orlando Villas-​​​​Boas, quando ele e outros ser­ta­nis­tas acom­pa­nha­vam os índios em cami­nha­das pela flo­resta, se os bran­cos for­ça­vam muito o […]

Pro­vo­ca­ções e Aforismas

A Polí­cia da Lín­gua che­gará, na calada da noite, tra­zendo armas de cor­re­tivo líquido e archo­tes. Eles quei­ma­rão seus livros e o leva­rão para a Recu­pe­ra­ção, uma estra­nha cadeia onde todos são obri­ga­dos a reci­tar ver­sí­cu­los de Pas­quale Cipro a fim de abor­ta­rem suas ideias de des­viar da saco-​​​​santa norma culta. Segundo meu dici­o­ná­rio de espanhol, […]

O Apo­ca­lipse como um pro­cesso de colapso

Parte da série «  Diver­sos Fins de Mundo  » Os ritu­ais fune­rá­rios são parte essen­cial da civi­li­za­ção. Quando a morte é bana­li­zada, em um con­texto de redu­ção popu­la­ci­o­nal rápida, impos­si­bi­lita o trans­curso de tais ritos. Sabe­mos, com base nos docu­men­tos his­tó­ri­cos sobre as gran­des mor­tan­da­des do pas­sado, que a civi­li­za­ção cos­tuma ir ao limite quando os rituais […]

A « doença per­feita » para o Apocalipse

calc1

Parte da série «  Diver­sos Fins de Mundo  » Acre­dito que na mai­o­ria das obras de fic­ção cien­tí­fica do gênero pós-​​​​apocalíptico os auto­res men­ci­o­nam a redu­ção popu­la­ci­o­nal como um efeito e não como uma causa do pro­cesso. Esta é uma abor­da­gem que pre­cisa ser rever­tida. Em vários momen­tos da his­tó­ria a huma­ni­dade enfren­tou doen­ças ter­rí­veis, que mataram […]

Depois de Ler Drac­con, Reli « O Alqui­mista » e Achei Bom

Mui­tas vezes eu lia tex­tos de jovens auto­res nas comu­ni­da­des do Orkut, e mais tarde aqui no Face, e ficava espan­tado com o baixo nível de domí­nio da norma culta. Com o tempo me acos­tu­mei com a ideia de que a escola inclu­siva e uni­ver­sal que existe hoje não con­se­gue for­mar um usuá­rio pleno do […]

Não Ins­ta­lem Disqus em seus Blogs

Como o Disqus afetou este blog

Dia 29 de de junho eu ins­ta­lei neste blog o plug-​​​​in do Disqus. Minha ideia era poten­ci­a­li­zar visi­tas, likes e difu­são. As pes­soas comen­ta­riam aqui e os comen­tá­rios apa­re­ce­riam em seus per­fis nas redes soci­ais, atraindo mais visi­tan­tes. Pare­cia uma ótima idéia. Mantive-​​​​o ins­ta­lado por várias sema­nas, um período de seca nas visi­tas ao blog […]

Pos­sí­veis for­mas de colapso da civilização

Parte da série «  Diver­sos Fins de Mundo  » O pró­prio con­ceito de « colapso » da civi­li­za­ção deve­ria assus­tar sufi­ci­en­te­mente. Não deve­ria ser tra­tado com leveza. Mas isso não é o que se vê. De fato, a maior parte dos auto­res parece acre­di­tar que tal colapso pode­ria acon­te­cer de uma forma até benigna. Esta crença ingê­nua se revela […]

O Apo­ca­lipse Gradual

Parte da série «  Diver­sos Fins de Mundo  » Dife­rente do apo­ca­lipse clás­sico, o gra­dual é mais comu­mente vivido pelos per­so­na­gens. Nas his­tó­rias que nos con­tam de um apo­ca­lipse gra­dual, o mais comum é acom­pa­nhar­mos o seu desen­ro­lar desde o iní­cio, ou logo depois do iní­cio, mesmo que o apo­ca­lipse em si não seja total­mente expli­cado. Trata-​​​​se […]

O Apo­ca­lipse Clássico

Parte da série «  Diver­sos Fins de Mundo  » Temos um apo­ca­lipse catas­tró­fico, obvi­a­mente, quando o fim do mundo se pro­duz como efeito de um evento rápido e des­trui­dor, como uma guerra nuclear, a queda de um aste­róide, uma guerra con­tra ali­e­ní­ge­nas ou algum outro tipo de acon­te­ci­mento que não dá à huma­ni­dade nenhum tempo para se […]

Con­teúdo Publi­cado Segundo uma Licença Cre­a­tive Commons

Licença Creative Commons Esta obra de José Geraldo Gou­vêa, foi licen­ci­ada sob uma Licença Cre­a­tive Com­mons Atribuição-​​NãoComercial-​​SemDerivados 3.0 Não Adap­tada. Per­mis­sões além do escopo dessa licença podem ser obti­das de jggouvea@gmail.com.

Quando não com­par­ti­lha­dos medi­ante a licença Cre­a­tive Com­mons, os tex­tos publi­ca­dos rei­vin­di­cam a pro­te­ção do direito auto­ral segundo os ter­mos da Con­ven­ção de Berna. Per­mi­tida a repro­du­ção exclu­si­va­mente medi­ante cita­ção da fonte, com link. Quando não hou­ver indi­ca­ção de data, fica suben­ten­dido que a data da pos­ta­gem é a de escrita. Todos os tex­tos são de minha auto­ria e, salvo explí­cita indi­ca­ção do con­trá­rio, são de fic­ção: qual­quer seme­lhança com fatos ou pes­soas reais será pro­duto de mera insu­fi­ci­ên­cia de minha imaginação.

Copyright © 2007-2014 by José Geraldo Gouvêa. Blog powered by Wordpress Frontier Theme