Há tão pouca gente que ame as paisagens que não existem!

O Apo­ca­lipse Gradual

Parte da série «  Diver­sos Fins de Mundo  » Dife­rente do apo­ca­lipse clás­sico, o gra­dual é mais comu­mente vivido pelos per­so­na­gens. Nas his­tó­rias que nos con­tam de um apo­ca­lipse gra­dual, o mais comum é acom­pa­nhar­mos o seu desen­ro­lar desde o iní­cio, ou logo depois do iní­cio, mesmo que o apo­ca­lipse em si não seja total­mente expli­cado. Trata-​​​​se […]

O Apo­ca­lipse Clássico

Parte da série «  Diver­sos Fins de Mundo  » Temos um apo­ca­lipse catas­tró­fico, obvi­a­mente, quando o fim do mundo se pro­duz como efeito de um evento rápido e des­trui­dor, como uma guerra nuclear, a queda de um aste­róide, uma guerra con­tra ali­e­ní­ge­nas ou algum outro tipo de acon­te­ci­mento que não dá à huma­ni­dade nenhum tempo para se […]

Diver­sos Fins de Mundo

Uma aná­lise das pos­si­bi­li­da­des e carac­te­rís­ti­cas do apo­ca­lipse como ele­mento lite­rá­rio, confrontando-​​​​o super­fi­ci­al­mente com fatos his­tó­ri­cos. Para auto­res de fic­ção cien­tí­fica. O mundo pós-​​​​apocalíptico é um tema recor­rente na lite­ra­tura de fic­ção cien­tí­fica e fan­ta­sia. Não dis­cor­re­rei sobre os moti­vos disso, posto que não sou psi­ca­na­lista e nem crí­tico lite­rá­rio, mas quando eu mesmo escrevi […]

Blogs que Leio: Astro­miau da Dis­cór­dia e do Atum

O « Astro­miau » é o novo blog do Sér­gio Fer­rari, escri­tor pau­lista que eu leio desde os tem­pos do Orku­tos­sau­rus. Leio e gosto ape­sar do estilo dele ser muito diverso do meu e, por vezes, ser até con­trá­rio aos meus sen­ti­dos lite­rá­rios. É que ele é muito cri­a­tivo, coisa que nem sem­pre fun­ci­ona, mas quando acerta […]

A Vir­gem do Sabá

Base­ado, em linhas muito vagas, em « The Queen of the Shab­bat », uma sinopse nunca desen­vol­vida por Clark Ashton-​​​​Smith. Jovita emba­lava a menina nos bra­ços e Jerô­nimo as con­tem­plava, entre embe­ve­cido e des­con­fi­ado. Lem­brou da noite em que a conhe­cera, sen­tiu um pouco de orgu­lho de quão homem fora, e recos­tou na cama, arfando o peito […]

Não Moti­va­rei Você

É por­que as pes­soas que adqui­ri­ram alguma expe­ri­ên­cia na escrita con­ser­vam o direito de gos­tar e dei­xar de gos­tar, com a única dife­rença que obti­ve­ram a capa­ci­dade de expli­car por­que. Algu­mas pes­soas ouvem estas opi­niões e se ofen­dem, o que é uma tolice. Haver pen­sa­men­tos dife­ren­tes é nor­mal. Você será cri­ti­cado, você enfren­tará a indiferença […]

Blogs que Leio: Min­gau Ácido

Deparei-​​​​me com o « Min­gau Ácido » quando o Mar­celo Gar­bine publi­cou o link em uma comu­ni­dade do Face­book de que eu par­ti­cipo. O texto era total­mente esca­to­ló­gico, mas não foi isso o que me cha­mou a aten­ção, e sim o humor. Ácido, como diz o título, mas o fato de o autor se dedi­car à crônica, […]

À Janela

Um dos pri­mei­ros tex­tos de fic­ção que escrevi, datado, pro­va­vel­mente, de 2002. De minha janela vejo, numa rua do morro em frente, uma moça que desce pela cal­çada. A dis­tân­cia não me per­mite conhecê-​​​​la, ape­nas vejo que não é nem muito magra e nem muito alta, que seus cabe­los caem pelas cos­tas e que é dessa […]

Notas para uma Polê­mica Pesada sobre Filologia

Enquanto fazia uma pes­quisa sobre os « erros gra­ma­ti­cais de Machado de Assis », deparei-​​​​me com uma afir­ma­ção impor­tante de um filó­logo conhe­cido, mas cujo link aca­bei per­dendo: não é só a ortho­graphia que mudou nos últi­mos sécu­los (no caso Bra­si­leiro, aliás, mudou qua­tro vezes), mas tam­bém a gra­má­tica e a ANÁLISE SINTÁTICA. As obras da literatura […]

Blogs que Leio: A Ver­dade Sobre Dr. Nilo

Não é todo dia que você se depara com um blog que dá pra­zer ler. A blo­gos­fera é habi­tada prin­ci­pal­mente por escri­to­res inex­pe­ri­en­tes, que ouvem o galo can­tar mas não sabem onde. Mas eu tenho tido a sorte de des­co­brir, nos últi­mos anos, alguns blogs que são ver­da­dei­ras péro­las de lite­ra­tura. Resolvi come­çar a compartilhar […]

Bra­sil, Ano Zero

Nor­mal­mente não escrevo aqui sobre fute­bol, a não ser em fic­ção, como no recente conto “Gol de Placa, Gol de Pato”, mas vou abrir uma exce­ção por­que tudo hoje foi exce­ção. A der­rota bra­si­leira para a Ale­ma­nha foi um resul­tado sobre­na­tu­ral, des­ses que acon­te­cem uma vez a cada milê­nio. Tão sobre­na­tu­ral que nunca acon­te­cer nada […]

Pro­vo­ca­ções e Aforismas

tal como na vida temos, às vezes, de supe­rar a ausên­cia de uma pes­soa, há vezes, na lite­ra­tura, que temos de supe­rar a ausên­cia da pala­vra exata. Só há três cami­nhos: descobri-​​​​la, inventá-​​​​la ou con­tor­nar sua ausên­cia atra­vés da pará­frase. Bem, existe um quarto cami­nho, que envolve uma pedra no meio do cami­nho, eter­na­mente a […]

Enge­nho e Arte

Can­tando espa­lha­rei por toda parte, Se a tanto me aju­dar o enge­nho e arte.  — Camões. Um dos temas recor­ren­tes nas comu­ni­da­des vir­tu­ais de escri­to­res é a dico­tomia entre talento e téc­nica, muito embora eu sus­peite que tal controvér­sia flo­resce mais naque­les que não exi­bem nenhuma das duas coi­sas. Grosso modo, esta é uma polê­mica entre […]

Gol de Placa, Gol de Pato — Parte 2

Haviam dei­xado para mim a camisa 2, embora eu fosse pivô, e eu secre­ta­mente gos­tara disso, por­que achava que era o meu número de sorte. Come­cei o aque­ci­mento enquanto Leleco tomava anal­gé­si­cos e der­ra­mava lágri­mas sur­das. Meus com­pa­nhei­ros de time pare­ciam não acre­di­tar. — Geraldo, vê se não estraga. — Gente, con­fiem em mim, quando […]

Con­teúdo Publi­cado Segundo uma Licença Cre­a­tive Commons

Licença Creative Commons Esta obra de José Geraldo Gou­vêa, foi licen­ci­ada sob uma Licença Cre­a­tive Com­mons Atribuição-​​NãoComercial-​​SemDerivados 3.0 Não Adap­tada. Per­mis­sões além do escopo dessa licença podem ser obti­das de jggouvea@gmail.com.

Quando não com­par­ti­lha­dos medi­ante a licença Cre­a­tive Com­mons, os tex­tos publi­ca­dos rei­vin­di­cam a pro­te­ção do direito auto­ral segundo os ter­mos da Con­ven­ção de Berna. Per­mi­tida a repro­du­ção exclu­si­va­mente medi­ante cita­ção da fonte, com link. Quando não hou­ver indi­ca­ção de data, fica suben­ten­dido que a data da pos­ta­gem é a de escrita. Todos os tex­tos são de minha auto­ria e, salvo explí­cita indi­ca­ção do con­trá­rio, são de fic­ção: qual­quer seme­lhança com fatos ou pes­soas reais será pro­duto de mera insu­fi­ci­ên­cia de minha imaginação.

Copyright © 2007-2014 by José Geraldo Gouvêa. Blog powered by Wordpress Frontier Theme