Olá, sou o José Geraldo, um escritor amador brasileiro. Neste blog você encontrará algumas coisas que eu andei escrevendo, tretas em que me meti e ligações para livros que lancei. Você pode começar examinando os livros que lancei recentemente ou se conectando comigo nas redes sociais para acompanhar atualizações. Um pouco mais abaixo há uma lista interativa do conteúdo mais relevante.

A Questão do Racismo no Legendarium de Tolkien e o Fanatismo dos Seguidores

20 setembro há 1 mês

Já faz algum tempo que publiquei aqui mesmo no blog algumas reflexões sobre aqueles a quem chamei de “pessoas execráveis”, isto é, autores e artistas do passado cuja obra contém elementos que, aos olhos de hoje, não são mais aceitáveis. Isso foi em 2017, muito, mas muito antes da onda atual de “cancelamentos” na internet. Desde então eu retornei ao tema várias vezes ao tema, em ensaios como “Os Crimes dos Autores”, “Não Matemos os Livros Por Causa de Nossos Pecados”, “Ainda Será Possível Falar […]

Seja o primeiro a comentar

O Estranho Sonho Que Tive Com Fernando Collor de Mello

15 setembro há 1 mês

Sonhos não costumam ser explicáveis nem previsíveis. Se assim fosse, eu certamente sonharia mais com gente que eu conheço e com quem convivo e teria menos pesadelos aleatórios com gente distante e em quem raramente penso. Um desses episódios aconteceu em junho. O sonho já começa no meio, então não me pergunte como chegamos lá. Tudo começa e eu já estou sentado à mesa de um restaurante popular, em companhia de dois amigos. Quem está comigo na mesa, almoçando P. F. e falando de coisas […]

Seja o primeiro a comentar

Projeto Anime 2020 — Como me Tornei Otaku aos 47

31 agosto há 2 meses

O período de relativo isolamento social proporcionado pela pandemia do Covid-19 me permitiu tomar conhecimento de conteúdos que antes não me interessavam ou que eu simplesmente nunca tivera a oportunidade de conhecer. Também me permitiu retomar antigas conexões a que eu não dava atenção há muito tempo. Entre esses conteúdos, as animações japonesas (animê), das quais a última que eu conhecera fora “Dragon Ball”, no início dos anos 2000. Um dos motivos de eu nunca ter me aproximado dos animês foi o fandom, obviamente. Além […]

Seja o primeiro a comentar

História de Gente Trabalhadora

23 agosto há 2 meses

Essa história não é só engraçada, ela é completamente surrealista e não ficaria mal em um filme do Buñuel. Era 1993 e eu estava em uma “missão secreta” a serviço do BEMGE, banco em que eu então trabalhava. O Credireal estava fechando várias agências no estado e o BEMGE as assumiria para manter os serviços em funcionamento. Como os fechamentos de agência eram segredo, não foi possível fazer preparativos: nos reunimos no domingo de manhã para um dia inteiro de treinamentos em Juiz de Fora, […]

Seja o primeiro a comentar

O que é necessário para que uma canção tenha qualidade?

15 agosto há 2 meses

Comecemos por tirar o bode da sala. FUNK NÃO É RUIM. O que é ruim é a qualidade dos artistas que o produzem (dos compositores aos produtores, passando pelos, assim digamos, “intérpretes”). Você perguntou especificamente sobre o que deve haver na composição, mas eu preciso também lhe contar que muitas vezes o que torna uma obra musicalmente interessante é o que vem depois da composição: Em termos de composição, “Carcará” é uma obra de uma pobreza lírica que chega a ser ridícula e que, sim, […]

Seja o primeiro a comentar

A Raiz de Todo Mal

20 julho há 3 meses

Comece removendo a ideia de que há um (ou alguns) livro(s) que contenham todo o conhecimento necessário. Algum que seja o livro necessário. A raiz de todo o mal esta em encarar o conhecimento como um recurso limitado, de que se deve adquirir somente o necessário, o mínimo necessário. Para se elevar culturalmente você não precisa ler os livros que alguém lhe recomende. Deve, aliás, justamente, desobedecer a quem lhe recomenda livros. Você é quem deve buscar ler aquilo de que precisa e aquilo que […]

Seja o primeiro a comentar

Clark Ashton Smith: Além da Imaginação e do Tempo

7 julho há 4 meses

Os que acompanham o meu blog há bastante tempo já ouviram falar muitas vezes de Clark Ashton Smith, um escritor americano de fantasia, relativamente desconhecido no Brasil, mas extremamente influente entre os autores de ficção e fantasia do mundo anglófono. Inclusive vocês já tiveram a oportunidade de ler aqui algumas traduções amadoras que fiz de seu trabalho, além de alguns artigos sobre sua vida e obra. A Ficção de Clark Ashton Smith. O Cenário como Elemento Central da Ficção de Clark Ashton Smith: Parte I […]

Seja o primeiro a comentar

Os Bons e Maus Momentos de Ser Grandão

27 junho há 4 meses

Quando comecei a estudar, me chamavam de Zezinho. Quando me formei, já era o Zé Grandão. Assim me tornei um dos “grandes homens” de minha cidade — e pude experimentar os bons e maus bocados proporcionados por se ter mais de um metro e noventa de altura. Coisas boas: Você não se perde na multidão. Alguém o acha. Você não perde os outros na multidão. É fácil achá-los. No cinema você pode comprar os assentos mais baratos nas fileiras de trás e ainda consegue aproveitar […]

Seja o primeiro a comentar

O Valor do Subjetivo

31 maio há 5 meses

Uma das consequências nefastas da digitização das relações de consumo foi a transformação das relações de consumo cultural, diminuindo a percepção do valor da arte. Tudo agora é digital, pode ser infinitamente copiado, pode ser rapidamente transacionado e somente existe de maneira virtual, como uma sequência de zeros e uns armazenada em algum meio eletrônico. Se antes o objetivo da indústria cultural era replicar, ao máximo, objetos como livros e discos a fim de vendê-los e obter lucro, agora o objetivo a indústria cultural é […]

Seja o primeiro a comentar

Os Cabeças Chatas

28 maio há 5 meses

Uma das coisas mais curiosas das últimas décadas foi a difusão do terraplanismo, a crença estúpida de que o mundo seria plano. Acompanha-o de perto outra ideia, menos estúpida, porém não menos incorreta, segundo a qual os povos antigos todos creriam em um mundo literalmente chato. Muitos povos antigos realmente acreditavam que o mundo era uma grande bandeja, com uma cúpula por cima e repousando sobre diversos tipos de suportes. Termos como “firmamento” e “pilares da terra” entraram na linguagem literária exatamente porque os antigos […]

Seja o primeiro a comentar