Há tão pouca gente que ame as paisagens que não existem!

A Fazenda da Ser­pente, 2

O ritual da visita come­çava na ampla sala de jan­tar, cujos jane­lões eram cober­tos de dos­séis de filó e pai­néis de cai­xi­lhos para iso­lar a mos­qui­tada. O Dr. Ota­vi­ano e o Tenente Jus­tino se sen­ta­ram em torno da mesa de madeira escura, que ainda res­cen­dia ao cheiro da resina, enquanto Demós­te­nes, pondo-​​​​se à von­tade, tratou […]

Afo­ris­mas e Pro­vo­ca­ções em Tempo de Eleições

Espero que depois da elei­ção meus ami­gos escri­to­res vol­tem a escre­ver e parem de falar de polí­tica. Ou terei que bloqueá-​​​​los, pois a razão, afi­nal, para eu os ter adi­ci­o­nado é o que eles escre­vem lite­ra­ri­a­mente, e não as suas opi­niões polí­ti­cas. Con­ver­sar polí­tica com um escri­tor pode ser tão pro­vei­toso quando con­ver­sar astro­fí­sica com […]

O Culto da Carga na Lite­ra­tura Nacional

Cor­rendo o risco de per­der mais uns dois ou três dos doze ou treze lei­to­res que me res­tam aqui nesse blog sonam­bú­lico, ini­cio mais uma treta, com o obje­tivo óbvio de ofen­der as pes­soas que gos­tam de mim e espan­tar quem ainda se inte­ressa pelo que eu escrevo. Ou para fazer as pes­soas de mente […]

Blogs que Leio: Wil­son Vaccari

Pre­ciso come­çar com um alerta rele­vante: Wil­son Vac­cari é para ini­ci­a­dos. Aproxime-​​​​se dele como quem se apro­xima de um campo minado onde plan­ta­ram um pé de maçã. Não é crime ler o que ele escreve, mas se você não for extre­ma­mente cau­te­loso ao inte­ra­gir com este autor, corre o risco de des­per­tar uma shits­torm rocambolesca. […]

Tra­du­ção: Um Exem­plar de Burns (Clark Ashton-​​Smith)

Andrew McGre­gor e seu sobri­nho, John Mal­colm, eram pre­ci­sa­mente idên­ti­cos, salvo um par­ti­cu­lar. Ambos eram incon­fun­di­vel­mente esco­ce­ses, de tal forma que che­ga­vam à cari­ca­tura: caras lon­gas e lábios fecha­dos, esguios e pobres ao ponto da penú­ria, ambos ama­vam de uma forma rude o solo áspero das vizi­nhan­ças de seus ran­chos em El Dorado. A diferença […]

A Fazenda da Ser­pente 1

Naquele tempo os ser­tões do Leste ainda eram um grande vazio, muito peri­goso como são todos os vazios. Ali não che­gava ainda o poder do Impé­rio, nem mesmo seus títu­los de nobreza. Mesmo tão pró­xima da corte, a região ainda tinha mais índios do que bran­cos, e qui­lom­bos por toda parte, todos peque­nos, porém, e […]

Pro­vo­ca­ções e Afo­ris­mas, 8

A mai­o­ria dos auto­res de hoje se bene­fi­cia com a publi­ca­ção de obras mais cur­tas. Eis uma ideia lucra­tiva: « Elfas tara­das ensi­nando téc­ni­cas ninja e segre­dos espi­ri­tu­ais tibe­ta­nos apli­cá­veis ao mundo dos negó­cios. » Uma ex-​​​​mulher é como uma cons­ci­ên­cia… exceto que o diabo não quer com­prar. Tem dias que me sinto meio Sér­gio von Helde. […]

Arque­o­lo­gia Poética

Nos pró­xi­mos meses eu vou come­çar a publi­car aqui no blog uma nova fase. Decidi abrir os túmu­los e gave­tas de meu pas­sado e exu­mar a minha poe­sia. Em parte isto se deveu à con­versa com o poeta Thi­ago Prada, durante o lan­ça­mento da anto­lo­gia Redrum, da Caligo Edi­tora, em São Paulo, 30 de agosto. […]

Sobre Plan­tar no Asfalto

Tomei recen­te­mente uma deci­são um tanto polê­mica, que tal­vez ten­si­one alguns rela­ci­o­na­men­tos vir­tu­ais meus. Trata-​​​​se de algo que já penso há algum tempo, mas sobre o qual só con­ver­sei com pou­cas pes­soas. Decidi aban­do­nar a par­tir de hoje uma boa parte de minha atu­a­ção na inter­net e nas redes soci­ais. Disto resul­tará eu par­ti­ci­par menos […]

O Ano do Gato

Minha última par­ti­ci­pa­ção no desa­fio Entre­Con­tos (aqui repos­tado com algu­mas cor­re­ções de erros per­ce­bi­dos após a ins­cri­ção). O tema do mês era « his­tó­rias base­a­das em música » e eu o ata­quei uti­li­zando como base para um conto a letra de « Year of the Cat », sucesso de Al Stewart em 1975. Fiz isso por­que a letra, em […]

Mais Coi­sas Para Não Fazer se Você se Tor­nar um Vilão Malvado

Além das Cem Coi­sas Para Não Fazer Se Você Se Tor­nar um Vilão Mal­vado, Peter Ans­pach reco­lheu mais de 150 outras suges­tões, um pouco menos bri­lhan­tes, mas tam­bém inte­res­san­tes. Esta pos­ta­gem con­ti­nua de onde a outra parou, acres­cen­tando mais 86 lem­bre­tes para você que pre­tende domi­nar o mundo, ou pelo menos um reino. Não orde­na­rei ao […]

Nova Série: « A Fazenda da Serpente »

Nos pró­xi­mos dias esta­rei tra­ba­lhando na con­clu­são desta nove­leta, escrita ori­gi­nal­mente em 2011, e que agora resolvi fina­li­zar, a todo custo. A his­tó­ria pro­cura criar um uni­verso fan­tás­tico no período pós-​​​​colonial da Zona da Mata Mineira. Sua his­tó­ria tan­gen­cia, sem nunca real­mente aden­trar, no mesmo cená­rio do romance (ainda incom­pleto) « Serra da Estrela », da novela […]

O Der­re­ti­mento Irre­ver­sí­vel de um Passado

O teu futuro é duvi­doso Eu vejo grana, eu vejo dor No paraíso peri­goso Que a palma da tua mão mos­trou.  — Cazuza (« Bete Balanço ») Setem­bro de 2014 marca o fim de um momento na his­tó­ria da inter­net, e da cul­tura pop como um todo: desa­pa­rece o Orkut, a pri­meira das redes soci­ais a ganhar tração […]

Nin­guém Tem o Direito de Nunca Ser Ofendido

« O Romance da Uni­ver­si­tá­ria Otá­ria » foi um grande sucesso da Banda Blitz nos anos 80. Falando sobre uma jovem sem rumo na vida que se envolve com um fala-​​​​mansa cha­mado « Abreu », a can­ção incluía uma estrofe que ficou mar­cada para mim até hoje: « Todo mundo quer ir pro céu, mas nin­guém quer mor­rer. » A frase […]

O Nas­ci­mento de Filipe C. Pinto

Tudo come­çou nos tem­pos do Orkut. Eu já havia uti­li­zado alguns per­fis fal­sos (« fakes ») para pos­tar naquela pla­ta­forma algum con­teúdo mais polê­mico. Alguns des­ses per­fis eram ver­da­dei­ra­mente len­dá­rios, como o « Sumo Sacer­dote da Silva », suposto líder da « Igreja Orku­tista da Sal­va­ção », e a depra­vada « Sofista Loura » (uma alu­são a Sophia Loren), que publi­cou na « Novos […]

Con­teúdo Publi­cado Segundo uma Licença Cre­a­tive Commons

Licença Creative Commons Esta obra de José Geraldo Gou­vêa, foi licen­ci­ada sob uma Licença Cre­a­tive Com­mons Atribuição-​​NãoComercial-​​SemDerivados 3.0 Não Adap­tada. Per­mis­sões além do escopo dessa licença podem ser obti­das de jggouvea@gmail.com.

Quando não com­par­ti­lha­dos medi­ante a licença Cre­a­tive Com­mons, os tex­tos publi­ca­dos rei­vin­di­cam a pro­te­ção do direito auto­ral segundo os ter­mos da Con­ven­ção de Berna. Per­mi­tida a repro­du­ção exclu­si­va­mente medi­ante cita­ção da fonte, com link. Quando não hou­ver indi­ca­ção de data, fica suben­ten­dido que a data da pos­ta­gem é a de escrita. Todos os tex­tos são de minha auto­ria e, salvo explí­cita indi­ca­ção do con­trá­rio, são de fic­ção: qual­quer seme­lhança com fatos ou pes­soas reais será pro­duto de mera insu­fi­ci­ên­cia de minha imaginação.

Copyright © 2007-2014 by José Geraldo Gouvêa. Blog powered by Wordpress Frontier Theme