Quero Minha Torre de Marfim

12 maio há 14 anos

Hoje saí para passear com minha filha e descobri que, apesar do prazer da paternidade, o que eu quero mesmo é minha “Torre de Marfim”. Um lugar bem alto, distante e isolado, em que eu pudesse estar a salvo dos ruídos do mundo e ouvir apenas música boa. Um lugar aonde não chegasse mala-direta, Padre Marcelo Rossi, Mr. Catra, missionários, o cheiro do Ribeirão Feijão-Cru, notícias de balas perdidas… Como todo poeta eu amo às nuvens, aos lugares sagrados, às coisa antigas. Existem até alguns […]

1 comentário

Teresa e o Pônei

2 maio há 14 anos

Teresa era uma menina de apartamento. Como toda criança ela gostava de bichinhos, não só dos de pelúcia mas dos de verdade também. Teresa gostava muito de passarinhos e de cavalos: seu grande sonho era um dia poder cavalgar um pônei pelo pasto afora, sentindo o vento nos cabelos e o sol no rosto. Mas o apartamento é um lugar pequeno: ali não dá para ter um cavalo. Coitado do bichinho! Onde ele pastaria? Em que riacho poderia brincar? Teresa até pensou em pedir que […]

Seja o primeiro a comentar

O Fascínio das Papelarias

18 abril há 14 anos

Quando eu estudava, ainda não existiam essas pequenas maravilhas eletrônicas que hoje caracterizam nosso dia-a-dia. Pesquisas eram feitas em bibliotecas empoeiradas — o bibliotecário era tido como um repositário de saber, reverenciado. Os trabalhos eram penosamente manuscritos, depois transcritos à máquina ou simplesmente passados a limpo por quem tivesse letra bonita. E o trabalho de rascunhar era ainda mais dificultado pelo tipo de material com que tínhamos de trabalhar. Há vinte anos, não existiam mais que quatro marcas de caneta esferográfica (Bic, FaberFix, Compactor e […]

Seja o primeiro a comentar

Reflexos da História em Abril

1 abril há 14 anos

Em Marte talvez não exista mais nem consciências e nem um céu anil. Que bom que eu não vou voltar mais lá em nenhuma outra encarnação. Na corte de Babilônia o destino sobe pelas paredes e os valores caem por terra. Quando os dedos de Javé resolvem, outra vez o rei se torna analfabeto e o destino cobra pelo atraso. Os homens de Atenas, os que mataram os filósofos, tinham toda razão: a liberdade não é um cidadão. Originalmente escrito em 1º de abril de […]

Seja o primeiro a comentar