Por Causa do Mau Tempo

16 abril há 4 anos

Fechou-se o céu e eu me sentei para lembrar, ouvindo a água calma pipocando impulsos grossos no papel surdo que esqueci debaixo da goteira. Em algum lugar Jacinto se despede, insípido como consegue, e Fabiana está em casa retocando unhas e atormentando os pelos. Todos esperam que esteja um dia lindo quando o sol cantar nos galhos e as asas dos anjinhos ruflarem pela igreja, assustadas com o arrastar arrítimico do zelo apressado. Amanhã se casarão depois de dar-se as mãos por tanto tempo que […]

1 comentário

Dicas de Escrita, ou: Porque Escrevo Tão Mal

13 abril há 4 anos

Escritores escrevem e há uma variedade de gêneros possíveis para a satisfação de todas as categorias de pessoas dadas à gra­for­reia. Versos costumam ser o começo de muita gente, embora hoje tenham perdido parte de sua popularidade para a microficção. A ficção pre­domina, por combinar a atração dos best-sellers com a possibi­lidade de extravasar a criatividade, ou seja, essa capacidade que o jovem tem de reescrever as histórias que leu nos livros ou viu nos filmes. Só com o tempo o autor se revela, a maioria nunca. Daí quem começou poeta pode terminar escrevendo ficção comercial, quem começou escrevendo pornografia pode terminar filósofo. A maioria termina não escrevendo mais.[…]

1 comentário

Phantasmagoria

12 abril há 4 anos

Guilherme construíra a sua casa sobre as ruínas desconhecidas que ocupavam um excelente terreno urbano. Doze trabalhadores com suas máquinas removeram os restos, arrancaram os arbustos e aplainaram cada metro de chão. A construção teve percalços porque havia quem achasse certa importância histórica no lugar, mas não foi longe a questão: a casa estava esquecida, parecia impossível de recuperar e tinha uma fama de assombrada.

Seja o primeiro a comentar

Tradução: A Vinda do Verme Branco, 4 (C. A. Smith)

10 abril há 4 anos

Ao ver tal entidade a pulsação de Evagh se deteve por um instante, tal o terror e logo a seguir do terror as suas entranhas se revoltaram dentro dele, tal o excesso de nojo. Em todo o mundo nada havia que pudesse ser comparado à asquerosidade de Rlim Shaikorth. De alguma forma ele tinha a semelhança de um gordo verme branco, mas seu volume era maior que o de um elefante-marinho. Sua cauda espiralada era tão grossa quanto as dobras medianas de seu corpo e […]

Seja o primeiro a comentar

O Barco de Milhões de Anos

7 abril há 4 anos

“Não vamos às estrelas, baby” — assim começou o discurso do capitão. “Em vez disso, vamos impedir que o inimigo vá.” Os soldados, irrequietos, nada perguntaram. Era bom saber que os capitães e coronéis sabiam o que fazer. Pena que não soubessem. “Ordinário, marche!” E a tropa adentrou o deserto em busca do inimigo impossível, marchando deze­nas de léguas sob o sol cada vez mais forte, até cada um deles cair, de fome e sede ou trucidado em conflitos previsíveis diante do desespero. Na verdade […]

1 comentário

Tradução: A Vinda do Verme Branco, 3 (C. A. Smith)

5 abril há 4 anos

Ele teria fugido da casa, sabendo que sua magia era totalmente ineficaz contra aquilo. Mas compreendeu que a morte estava na exposição direta aos raios do iceberg e que se deixasse a casa ele forçosamente entraria naquela luz fatal. E também compreendeu que ele só, entre os que viviam naquele trecho de lito­ral, tinha sido excluído da morte. Não podia supor a razão de sua exceção, mas concluiu por fim que era melhor permanecer paciente e sem medo, à espera do que lhe devesse acontecer. […]

1 comentário

Não Tenho Mais Medo de Andar na Contramão

4 abril há 4 anos

Compartilharam no Facebook o conselho dado por dois autores americanos (de que nunca ouvi falar) segundo o qual devemos perder o medo de escrever sobre “what we don’t know”. Os demônios da tradução criaram a ambiguidade entre “saber” e “conhecer” e assim surgiu um ótimo tema para debate. Em inglês tal conversa seria impossível, pois os dois verbos se amalgamam em um único. Mas em português há uma rica semântica na oposição deles, e podemos tergiversar sobre o proveito de escrever sobre o que não […]

Seja o primeiro a comentar

Tradução: A Vinda do Verme Branco, 2 (C. A. Smith)

28 março há 4 anos

De volta à sua casa antes da noite, queimou junto a cada porta e janela as resinas que são mais ofensivas aos demônios do norte, e em cada ângulo por onde um espírito pudesse entrar ele situou um de seus familiares para guardar contra a intrusão. Depois, enquanto Ratha e Ahilidis dormiam, ele pesquisou com cuidado diligente nos escritos de Pnom, nos quais estão coletados muitos exorcismos poderosos. Mas o tempo todo, enquanto lia para seu conforto os velhos autógrafos, ele se lembrava melancolicamente dos […]

Seja o primeiro a comentar

Tradução: A Vinda do Verme Branco, 1 (C. A. Smith)

21 março há 5 anos

Por residir junto ao mar boreal, o feiticeiro Evagh costumava ver muitos por­ten­tos inesperados no verão. O sol ardia gélido sobre Mhu Thulan, pendente de um firmamento límpido e desbotado como gelo. Ao entardecer a aurora se esten­dia do horizonte ao zênite, como uma cortina de um palácio dos deuses. Débeis e raras eram as papoulas e pequenas as anêmonas nos vales que entre­me­avam os rochedos além da casa de Evagh, e os frutos de seu jardim murado eram pálidos por fora e verdes por […]

Seja o primeiro a comentar

Tradução: A Vinda do Verme Branco, Índice (C. A. Smith)

20 março há 5 anos

“A Vinda do Verme Branco” (The Coming of the White Worm) é um conto de aproximadamente sete mil palavras publicado em abril de 1941, na revista Stirring Science Fictions. É um dos poucos textos de ficção publicados por Ashton-Smith após a morte de H. P. Lovecraft, seu mentor e amigo por correspondência. Nesta segunda fase, Ashton-Smith passa a exercer mais liberdade na estruturação de suas histórias, abordando sem receios temas que teriam escandalizado seu círculo de amigos. Nesta história, em especial, que é considerada como […]

Seja o primeiro a comentar

Yuri e Natasha

14 março há 5 anos

Enquanto pesquisava sobre música soviética, em relação àquele post malu­qui­nho sobre a música do jogo Super Mario World ter sido baseada no Hino da União Soviética, fui tendo contato com o universo musical comunista e entendendo como era sufocante a vida cultural então. Certamente nem eu e nem você gostaríamos de viver aquilo. Imaginemos então o nosso herói, o Yuri, um exímio guitarrista, que estudou guitarra clássica no conservatório e atravessou a adolescência ouvindo discos contrabandeados de Black Sabbath, Beatles, Bee Gees, Pink Floyd e […]

Seja o primeiro a comentar

Injustiça Poética

2 março há 5 anos

Escutei as sirenes logo abaixo da minha janela e me levantei para ver. Continuava em silêncio a casa do outro lado da rua. Tinha estado assim durante os últimos doze minutos, contados no relógio. O policial apeou da viatura e foi até a porta, que dava diretamente sobre a calçada. Bateu sem educação, conforme a situação exigia. Ninguém respondeu, as luzes continuaram apagadas. — Abra essa porta, ou vamos soprar, soprar… … — O que aconteceu com você, querida? Ela não respondia. Timóteo estapeou-lhe o […]

Seja o primeiro a comentar