Justiceiros Virtuais

26 janeiro há 11 anos

A internet sempre foi um “antro da liberdade” em um mundo repleto de convenções. Nunca antes na História existiu um mecanismo tão poderoso para agregar minorias, compartilhar opiniões e difundir conteúdos. A liberdade subterrânea, no entanto, também atrai aproveitadores e, com estes, justiceiros cegos e suas táticas arrasa-quarteirão que, com a desculpa de atingir os aproveitadores, miram certeiramente na liberdade. Através da internet doutrinas antes relegadas ao subterrâneo têm um espaço permanente para sua difusão, podem ganhar adeptos e podem ser entendidas pelos não-adeptos. Movimentos […]

Seja o primeiro a comentar

Grãos de Areia na Praia

27 dezembro há 11 anos

Se a ciência pudesse contar quantos grãos de areia existem no mar… Assim começa muita retórica obscurantista vazia. Menosprezar a busca do conhecimento é uma tática milenar que os líderes religiosos empregam para mostrar a si mesmos como a melhor, se possível única, cereja do bolo. Desqualifique as explicações e lucre com a confusão. Assim vive a religião, há tanto tempo que ninguém sabe contar. Como toda retórica vazia, esta também se baseia num erro conceitual. Isso não tem muito importância para quem dela se […]

Seja o primeiro a comentar

No Mundo em que Vivo

20 outubro há 12 anos

No mundo em que vivo poesia não é mais necessário, flores são somente formas toleráveis. Talvez por isso seja tão urgente que perpetre poesia, que irresponsavelmente plante cores. Com a futilidade frágil de uns versos insisto contra a sólida imagem de coisas brutas que venceram e cuja impermeável razão de ser forma o alicerce de minha casa. Pensem nisso se me virem por aí, falando só, olhando vago. Estarei meditando meu próximo atentado contra a cinza escuridão que me enxerga e que envergo como um […]

Seja o primeiro a comentar

Pássaros Negros

19 outubro há 12 anos

A única conexão que eu consigo fazer é entre o desaparecimento dos pardais e o surgimento destas avezinhas negras que infectam nossos carros com seus excrementos azulados, cheios de ácido clorídrico, capazes de estragar a mais resistente das pinturas e arranhar os vidros quando escorrem. Inútil dizer que afugentar estas pestes está sendo bastante difícil. Nosso governo ainda não se deu conta da gravidade do perigo que os Pássaros Negros representam para a nação porque eles parecem estar vindo das profundezas do mundo esquecido e […]

Seja o primeiro a comentar

Pessoas Admiráveis

6 setembro há 12 anos

Pessoas admiráveis são aquelas que nem sempre voltam para casa pelo caminho mais curto, que se lembram com saudade terem bebido vinho ao lado de seu amor em um lugar tranquilo, que ainda cultivam uma caligrafia arredondada e arrematam as maiúsculas com carinho. Às vezes elas são capazes de sair dirigindo sem destino, pelo prazer da estrada, porque sabem que o mais importante não é chegar, mas fazer uma boa viagem. Elas detestam filmes violentos porque se solidarizam com as vítimas da violência, mesmo imaginária. […]

Seja o primeiro a comentar

Vamos estar odiando gerundismo

22 agosto há 12 anos

Vamos estar odiando gerundismo até você estar parando de estar me incomodando. Enquanto isso estamos sugerindo que você esteja lendo alguma coisa que não esteja sendo os manuais de telemarketing que você tem estado lendo. Para o caso de você não estar entendendo porque estamos achando gerundismo tão irritante estamos sugerindo que você esteja lendo conosco até o fim. Se a sua paciência estiver aguentando é porque você não está prestando atenção ou então você não está sendo mais capaz de estar sentindo porra nenhuma. […]

Seja o primeiro a comentar

O Monstrinho no Armário

28 maio há 12 anos

Júlia era uma menina cheia de manias. Principalmente era cheia de manias ruins ou esquisitas. Manias que aprendia de seus colegas, parentes, vizinhos, etc. Recentemente Júlia aprendeu a chorar. Nas primeiras vezes ela chorou naturalmente. O choro que as crianças choram quando perdem ou quando não acham, quando não têm ou quando quebram, quando querem e não podem ou quando não querem e têm que fazer. Mas a mãe de Júlia não tinha paciência e tinha tanta pressa em se livrar logo do choro da […]

Seja o primeiro a comentar

Quero Minha Torre de Marfim

12 maio há 12 anos

Hoje saí para passear com minha filha e descobri que, apesar do prazer da paternidade, o que eu quero mesmo é minha “Torre de Marfim”. Um lugar bem alto, distante e isolado, em que eu pudesse estar a salvo dos ruídos do mundo e ouvir apenas música boa. Um lugar aonde não chegasse mala-direta, Padre Marcelo Rossi, Mr. Catra, missionários, o cheiro do Ribeirão Feijão-Cru, notícias de balas perdidas… Como todo poeta eu amo às nuvens, aos lugares sagrados, às coisa antigas. Existem até alguns […]

1 comentário

Teresa e o Pônei

2 maio há 12 anos

Teresa era uma menina de apartamento. Como toda criança ela gostava de bichinhos, não só dos de pelúcia mas dos de verdade também. Teresa gostava muito de passarinhos e de cavalos: seu grande sonho era um dia poder cavalgar um pônei pelo pasto afora, sentindo o vento nos cabelos e o sol no rosto. Mas o apartamento é um lugar pequeno: ali não dá para ter um cavalo. Coitado do bichinho! Onde ele pastaria? Em que riacho poderia brincar? Teresa até pensou em pedir que […]

Seja o primeiro a comentar

O Fascínio das Papelarias

18 abril há 12 anos

Quando eu estudava, ainda não existiam essas pequenas maravilhas eletrônicas que hoje caracterizam nosso dia-a-dia. Pesquisas eram feitas em bibliotecas empoeiradas — o bibliotecário era tido como um repositário de saber, reverenciado. Os trabalhos eram penosamente manuscritos, depois transcritos à máquina ou simplesmente passados a limpo por quem tivesse letra bonita. E o trabalho de rascunhar era ainda mais dificultado pelo tipo de material com que tínhamos de trabalhar. Há vinte anos, não existiam mais que quatro marcas de caneta esferográfica (Bic, FaberFix, Compactor e […]

Seja o primeiro a comentar

Reflexos da História em Abril

1 abril há 12 anos

Em Marte talvez não exista mais nem consciências e nem um céu anil. Que bom que eu não vou voltar mais lá em nenhuma outra encarnação. Na corte de Babilônia o destino sobe pelas paredes e os valores caem por terra. Quando os dedos de Javé resolvem, outra vez o rei se torna analfabeto e o destino cobra pelo atraso. Os homens de Atenas, os que mataram os filósofos, tinham toda razão: a liberdade não é um cidadão. Originalmente escrito em 1º de abril de […]

Seja o primeiro a comentar