[Tradução] Abandonados em Andrômeda [3]

15 maio há 8 anos

As horas se arrastaram. Eles conversaram com uma loquacidade esporádica, mas febril, em um esforço para vencer o nervosismo de que tinham plena, mas incontrolável, consciência. Homens fortes e maduros como eram, sentiram-se às vezes como crianças sozinhas no escuro, com uma horda de monstruosos terrores cercando-os de todos os lados. Quando o silêncio caía, a informulável estranheza e horror das trevas circundantes parecia chegar mais para perto, e eles não ousavam ficar calados muito tempo. […]

Seja o primeiro a comentar

[Tradução] Abandonados em Andrômeda [2]

13 maio há 8 anos

Os amotinados sentiram certo alívio. Qualquer coisa, mesmo a morte súbita pela inalação de uma atmosfera irrespirável, seria melhor do que o longo confinamento. Estoicamente, como condenados à morte, eles se prepararam para o mergulho fatal no desconhecido.

Os negros minutos se esgotaram e então as luzes elétricas foram acesas. A porta se abriu e Jasper entrou. Ele removeu em silêncio as amarras dos três homens, então se retirou e a porta foi trancada para eles pela última vez.[…]

Seja o primeiro a comentar

[Tradução] Abandonados em Andrômeda [1]

11 maio há 8 anos

“Camaradas, eu os desembarcarei no primeiro mundo do primeiro sistema planetário que encontrarmos.”

A gélida determinação das palavras do Capitão Volmar era mais terrível do que qualquer demonstração de ira poderia ter sido. Seus olhos estavam frios e duros como gemas de safira sobre a neve e havia um rigor fanático no endurecimento de seus lábios após cada palavra pronunciada com rudeza.[…]

Seja o primeiro a comentar

Abandonados em Andrômeda

10 maio há 8 anos

Um dos textos mais ágeis e acessíveis escritos por Clark Ashton-Smith foi o conto “Abandonados em Andrômeda” (*Marooned in Andromeda*), publicado originalmente em 1930 na revista *Wonder Stories.* Apesar de alguns pequenos anacronismos, a economia de Smith na descrição da tecnologia do futuro permite que o texto flua quase sem questionamentos, não tendo ficado obsoleto após oitenta e três anos de publicação. Trata-se, também, de uma das raras incursões do autor no terreno da ficção científica, ele que sempre se caracterizou mais pela fantasia.

Seja o primeiro a comentar

Aventuras em Rio das Ostras, Parte III

9 maio há 8 anos

Depois de apenas um dia e meio de praia, a segunda feira amanheceu vestida de um som tão lindo que dava vontade de xingar, pois não tínhamos mais roupa limpa — e nem onde lavar. Como não queríamos comprar roupas novas para cada novo dia, e também porque a semana era a última das férias, com muita pendência ainda a resolver, pusemos as bagagens na mala e pegamos a estrada.

1 comentário

As Abominações de Yondo

7 maio há 8 anos

Original de Clark Ashton-Smith. Traduzido a partir da versão online em Eldritch Dark. As areias do deserto de Yondo não são como as areias de outros desertos, pois Yondo está mais perto da borda do mundo e estranhos ventos que sopram dos abismos que nenhum astrônomo espera divisar têm semeado seus campos arruinados com a poeira cinzenta de planetas corroídos e as cinzas negras de sóis extintos. As montanhas arredondadas que se erguem, negras, de sua planície enrugada e esburacada não são todas suas, pois […]

Seja o primeiro a comentar

Entrevista de Emprego

3 maio há 8 anos

Entrei em uma sala gélida, de móveis desenhados a régua e compasso, mas sem inspiração. Uma senhora tentava parecer vinte anos mais jovem a custa de muita maquiagem e de roupas roubadas do armário da filha do meio.Quando me viu ela ergueu os olhos cuidadosamente, tentando disfarçar que os seus óculos transados eram trifocais, e sinalizou-me uma cadeira desconfortável. Sempreé desconfortável a cadeira de quem se mede com a autoridade, eu tinha a sorte de não ser um instrumento de interrogatório medieval. Vendo-me devidamente em […]

Seja o primeiro a comentar

[Tradução] Após o Armagedom (Clark Ashton Smith)

2 maio há 8 anos

Deus caminha leve nos jardins de uma estrela escura e fria.[^1] Desconhecendo o pó que se apega às dobras de sua roupa, Deus assinala no barro, marca-o no molde, Andando nos campos noturnos de uma guerra perdida Em uma estrela que há muito esfriou. Deus pisa brilhante onde há ossos de coisas esquecidas, Pálido de esplendor como a geada de uma praia banhada de luar, Deus vê as tumbas à luz de Sua face, Ele treme ao ler as runas lá gravadas, e Sua sombra […]

Seja o primeiro a comentar

A Ficção de Clark Ashton Smith

1 maio há 8 anos

Há momentos na história da lite­ratura em que os veí­culos mais inusi­tados dão vazão ao talento de autores competentes, resultando em obras de insus­peita quali­dade que, infeliz­mente, tardam em receber o devido reco­nhe­ci­mento devido ao precon­ceito moti­vado justamente pelos veículos em que foram publicadas. Um desses momentos foi o período entre-guerras nos Estados Unidos, quando floresceram revistas mensais de folhetim conhecidas como “pulp fictions”. Impressas em papel barato e vendidas a preço baixo, destinadas à classe operária, não deixaram, por isso, de contar com autores de primeira grandeza porque ofereciam um veículo para a profissionalização de quem desejasse começar na literatura.

5 comentários

A Paisagem com Salgueiros

28 abril há 8 anos

Original de Clark Ashton-Smith. Traduzido a partir da versão online em Eldritch Dark. A pintura tinha mais de quinhentos anos e o tempo não mudara suas cores, senão para tocá-las com a tenra suavidade das horas antigas, com a morbidez acumulada de coisas passadas. Fora pintada por um grande artista da dinastia Sung, em seda da mais fina trama, e montada em uma moldura de ébano arrematada em prata. Por doze gerações fora uma das mais queridas posses dos antepassados de Shih Liang e igualmente […]

Seja o primeiro a comentar