O Mito da Acessibilidade

5 fevereiro há 7 meses

Uma das mai­o­res polê­mi­cas em que os jovens auto­res se envol­vem é a ques­tão da “aces­si­bi­li­dade”, um termo muito mal empre­gado no con­texto da edi­ção de livros. Teoricamente, o termo se refere a meios atra­vés dos quais pes­soas defi­ci­en­tes de algum sen­tido teriam acesso a um lugar ou con­teúdo. Por causa da aces­si­bi­li­dade exis­tem os livros em braille, para que os cegos pos­sam ler, os livros infan­tis têm letras gran­des, ade­qua­das à faixa etá­ria, foram cri­a­dos softwa­res de lei­tura para per­mi­tir que os cegos usem […]

Seja o primeiro a comentar

Relembrando a Crítica Literária Mais Demolidora de Todos os Tempos

25 janeiro há 7 meses

Em 1989 o humo­rista, car­tu­nista, tra­du­tor, poeta e cro­nista bra­si­leiro Millôr Fernandes publi­cou uma série de peque­nas crô­ni­cas sobre a obra do então pre­si­dente José Sarney. Estes tex­tos, em seu con­junto, for­mam a mais demo­li­dora crí­tica lite­rá­ria jamais publi­cada em por­tu­guês. Não somente pela noto­ri­e­dade dos envol­vi­dos — um pre­si­dente da repú­blica e o outro colu­nista da revista de maior cir­cu­la­ção no país — mas tam­bém pelas incrí­veis tira­das com que Millôr brinda o texto cri­ti­cado, o que acaba por eter­ni­zar a ruin­dade de uma obra que era então […]

Seja o primeiro a comentar

Como um Passarinho

20 janeiro há 7 meses

Não pude resis­tir ao “pequeno apar­ta­mento de dois quar­tos, sem gara­gem, por ape­nas R$ 350,00”. Aluguei. Não pre­ci­sava nem de dois quar­tos, bastava-​me um. Mas não havia alu­guel mais baixo na cidade, fazer o que? Algumas novas peças de mobí­lia e lá estava em meu pân­tano par­ti­cu­lar. Eu não conhe­cia quase nin­guém na cidade ainda, então ficava andando de lá para cá depois do tra­ba­lho enquanto ainda não escu­re­cia, para ver gente, cum­pri­men­tar e esti­car as per­nas duras de ficar sen­tado o dia todo. Mas […]

Seja o primeiro a comentar

Povo Marcado, Povo Feliz

20 janeiro há 7 meses

Há dois tipos de pes­soas úteis no mundo. As que acen­dem o fogo e as que o apa­gam ou con­tro­lam. A civi­li­za­ção não exis­ti­ria sem o fogo. Mas seria con­su­mida sem seu con­trole. Por muito tempo foi teo­ria de cons­pi­ra­ção o envol­vi­mento ame­ri­cano no golpe de 1964. Que Vladimir Herzog fora morto no DOPS, onde foi mera­mente “dar depoi­mento”. Por muito tempo foi teo­ria de cons­pi­ra­ção que Jim Jones fora envol­vido com a CIA. Por muito tempo duvi­da­ram que Georgi Markov foi morto pela KGB. A his­tó­ria é […]

Seja o primeiro a comentar

Precisamos Falar Sobre Reis e Barrigas

4 janeiro há 8 meses

Há um espec­tro que ronda a lite­ra­tura naci­o­nal, desde há algum tempo: o res­sen­ti­mento de uma classe de auto­res e crí­ti­cos con­tra o maior defeito da lite­ra­tura naci­o­nal, o seu povo. A lite­ra­tura bra­si­leira é, ape­sar do que pen­sem os indi­ví­duos que resi­dem em suas tor­res de mar­fim, a lite­ra­tura de um povo opri­mido, uma lite­ra­tura de resis­tên­cia. Ela tem de com­ba­ter a cada dia não somente con­tra as pró­prias limi­ta­ções mate­ri­ais de um país que ainda é sub­de­sen­vol­vido, mas tam­bém con­tra um sis­tema que parece […]

Seja o primeiro a comentar

Fetiches de Tamanho, Qualidade e Exclusividade

28 dezembro há 8 meses

Talvez por inse­gu­rança, ou por algum traço cul­tu­ral que eu ainda não mapeei, o bra­si­leiro tem uma neces­si­dade curi­osa de enfa­ti­zar o tama­nho ou a qua­li­dade de tudo o que vê, espe­ci­al­mente do que pos­sui. O Brasil é um país onde não se com­pra man­teiga que não seja “de pri­meira qua­li­dade”, nem arroz tipo 2, nem carne de segunda ou de ter­ceira (eliminou-​se a dis­tin­ção antiga). Onde qual­quer ven­di­nha se chama “super­mer­cado” e um esta­be­le­ci­mento sem fili­ais se chama “Lojas Fulano”. Onde qual­quer calham­be­que será […]

Seja o primeiro a comentar

Por que que a gente é assim?

22 dezembro há 8 meses

Mais uma vez? É claro que eu ’tô a fim. Parodio Cazuza para dizer que o escri­tor bra­si­leiro parece não se can­sar de ser humi­lhado. Não basta pra­ti­car uma arte con­si­de­rada “fácil” por quase todo mundo que não a pra­tica, não basta que con­si­de­rem a lite­ra­tura algo supér­fluo “com tanta gente pas­sando fome” e tam­pouco basta que veja­mos as pra­te­lei­ras de nos­sas livra­rias ocu­pa­das majo­ri­ta­ri­a­mente por uma espé­cie de subli­te­ra­tura cagada sobre nós pelo sis­tema hegemô­nico em que esta­mos inse­ri­dos. Nada disso basta, temos de […]

Seja o primeiro a comentar

Amor Gótico

16 outubro há 10 meses

Ouviram um ran­gido desa­gra­dá­vel. A lua gorda de maio abriu uma janela estreita entre as nuvens e a fumaça para ver Lucinda nua. Ela riu, a lua deve ter rido de volta, fazendo-​lhe cóce­gas na pele pálida. Então ele se afas­tou, cons­tran­gido e com a sen­sa­ção incô­moda de ter as náde­gas des­pro­te­gi­das con­tra o vento e o des­co­nhe­cido. — Já foi? Queria mais… — Você não sos­sega esse facho, Lucinda? — Deixe, cara. Aproveite a noite, apro­veite a lua, apro­veite a pai­sa­gem. E apro­veite que […]

Seja o primeiro a comentar

Gostei do Nobel para o Dylan

14 outubro há 10 meses

Como sou do tipo que acre­dita que uma Academia é essen­ci­al­mente uma des­culpa para um bando de velhos se con­ce­de­rem prê­mios e igno­rar o que se faz de novi­dade neste mundo, nunca dei muita bola ao Prêmio Nobel de Literatura. Especialmente por­que a mai­o­ria de seus agra­ci­a­dos tem pouca rele­vân­cia “pop” — o que sig­ni­fica que tra­zem pouca polê­mica — e os que a têm já estão velhos demais para tra­ze­rem alguma sacu­dida ao care­tís­simo uni­verso das letras. A coisa mais pare­cida com tal sacu­dida foi a con­ces­são a […]

Seja o primeiro a comentar

Como Seria a Vida sob o Comunismo?

6 outubro há 11 meses

O artigo a seguir é um exer­cí­cio de ima­gi­na­ção, base­ado nas obras de Karl Mark e Lênin. Não se trata de uma des­cri­ção da vida na União Soviética por­que esta jamais atin­giu o está­gio do “comu­nismo ideal”, embora tenha sido o estado que dele mais se apro­xi­mou. Algumas das coi­sas cita­das aqui exis­ti­ram na União Soviética, outras nunca saí­ram da teo­ria revo­lu­ci­o­ná­ria. A dife­rença entre uma e outra eu deixo como um exer­cí­cio para o lei­tor inte­res­sado. Esta foi ori­gi­nal­mente uma res­posta que dei a […]

Seja o primeiro a comentar

Há Escritores Que São Burros

22 setembro há 11 meses

Vou come­çar a patru­lhar minha time­line em busca de escri­to­res que defen­dem essa reforma edu­ca­ci­o­nal só para ter o pra­zer de chamá-​los de bur­ros. Alguém que tra­ba­lha com cul­tura ou é da área edu­ca­ci­o­nal e defende essa mons­tru­o­si­dade enfi­ada pela goela abaixo do país merece ganhar de Natal qua­tro fer­ra­du­ras. É estar­re­ce­dor ver gente da área edu­ca­ci­o­nal ou cul­tu­ral defen­der, por razões ide­o­ló­gi­cas, um pro­jeto que piora ainda mais os PCN e vai na con­tra­mão de tudo que se pen­sou de moder­ni­dade em edu­ca­ção nas […]

Seja o primeiro a comentar

Algumas das Melhores Frases de “Terra da Noite”

21 setembro há 11 meses

Concluída a tra­du­ção, com­par­ti­lho com meus lei­to­res uma pequena lista de fra­ses de impacto extraí­das do livro. Através delas espero con­ven­cer os lei­to­res de que W. H. Hodgson não era tão canas­trão quanto os seus crí­ti­cos o fazem pare­cer. Era uma per­so­na­li­dade com­plexa e capaz de escre­ver extra­or­di­ná­ria fic­ção, mas que pade­ceu de algu­mas difi­cul­da­des para publi­car seu tra­ba­lho e não rece­beu boa ori­en­ta­ção de seus edi­to­res. Só isso. “Era só o meu ser inteiro que estava em tur­bi­lhão.” (23) – Um belo exem­plo de oxí­moro. […]

Seja o primeiro a comentar