A Questão do Racismo no Legendarium de Tolkien e o Fanatismo dos Seguidores

Já faz algum tempo que publiquei aqui mesmo no blog algumas reflexões sobre aqueles a quem chamei de “pessoas execráveis”, isto é, autores e artistas do passado cuja obra contém elementos que, aos olhos de hoje, não são mais aceitáveis. Isso foi em 2017, muito, mas muito antes da onda atual de “cancelamentos” na internet. Desde então eu retornei ao tema várias vezes ao tema, em ensaios como “Os Crimes dos Autores”, “Não Matemos os Livros Por Causa de Nossos Pecados”, “Ainda Será Possível Falar […]

O que é necessário para que uma canção tenha qualidade?

Comecemos por tirar o bode da sala. FUNK NÃO É RUIM. O que é ruim é a qualidade dos artistas que o produzem (dos compositores aos produtores, passando pelos, assim digamos, “intérpretes”). Você perguntou especificamente sobre o que deve haver na composição, mas eu preciso também lhe contar que muitas vezes o que torna uma obra musicalmente interessante é o que vem depois da composição: Em termos de composição, “Carcará” é uma obra de uma pobreza lírica que chega a ser ridícula e que, sim, […]

Os Crimes dos Autores

Há algum tempo, em 2017, eu escrevi um ensaio intitulado «O Que Fazer com a Arte de Pessoas Execráveis?» que era mais ou menos sobre isto. Minha opinião mudou um pouco desde então, mas permanece coerente no essencial. Devemos ter muito cuidado ao condenar a obra por causa do autor. Comecemos por uma história contada pelo humorista Millôr Fernandes: A senhora, uma dona de casa, estava na feira, no caminhão que vende galinhas. O vendedor ofereceu a ela uma galinha. Ela olhou para a galinha, […]

Olavo de Carvalho e os Brasileiros Inteligentes

Eu amo esta frase do Paulo Freire e a uso sempre que posso: “se a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é se tornar o opressor”. Isso, claro, explica as pessoas de classe média baixa que se deslumbram com o mínimo de ascensão social que obtêm, mas o que acontece àqueles que já são nascidos na elite? O que seria, para eles, uma “educação libertadora”? Como se aplicaria essa frase no caso deles? Venham comigo! O meme do “opressor”, que esteve muito em […]

Doe Livros, Não Comida

Demorei a escrever sobre o assunto para poder refletir com calma e não cair em nenhuma das claques de apupos ou aplausos que se seguiu à atitude do blogueiro Felipe Neto, que adquiriu milhares de exemplares de um livro que alguém pretendia censurar por conter uma cena de beijo entre homens (me recuso a usar o termo beijo gay). Com a cabeça refrescada eu reposto aqui um comentário feito em uma rede social, esperando que minha argumentação permaneça. O Brasil está no estágio em que […]

Por que Nossa Literatura Fantástica Continua Marginal?

Esta semana a minha bolha nas redes sociais se agitou com a discussão sobre o artigo de Santiago Nazarián para a Folha de São Paulo, em que se aborda um tema que parece incomodar aos autores de ficção fantástica: ela continua supostamente relegada a um papel marginal — desprezada pela crítica e incapaz de “deixar uma marca” na cultura nacional, seja lá o que isso quer dizer. Acredito que esse debate está, de saída, viciado por três problemas: Nossos autores raramente possuem uma conexão profunda […]

Quem é o “pobre de direita”?

Os últimos anos de nossa complicada evolução política trouxeram ao centro do debate uma série de novas categorias, algumas das quais existem meramente como “memes”, isto é, unidades mínimas de informação, desprovidas de explicação profunda. Uma dessas categorias é o tal “pobre de direita”, de que comentaristas de esquerda falam tão mal. Esta postagem é uma tentativa de explicar quem seria esse cidadão e as razões pelas quais tanta gente acha que tal posicionamento não deveria existir. Existem duas classes de “pobre de direita”, e […]

Aviso de Gatilhos

Se você é do tipo impressionável, que poderia tirar a própria vida dependendo do que lesse em uma obra de ficção ou em um comentário político, não leia meu blog, procure ajuda psicológica. Se você já teve eventos traumáticos na vida e não quer nunca mais ser confrontado com eventos traumáticos na vida, não leia meu blog, tranque-se em seu quarto e peça para alguém chamar um médico. Pode ser que no caminho até o consultório você encontre algum evento traumático e talvez você não […]

A Era da Literadura

Ontem, 26 de junho, saiu na Revista Úrsula o segundo artigo de minha série de reflexões sobre os impactos culturais do que eu chamei de “evangelismo” da Jornada do Herói entre os escritores. Não sei se terei espaço lá para publicar a terceira parte, se for o caso, ponho-a no Letras Elétricas mesmo. De qualquer forma, leia lá e deixe seus comentários.