A Era da Literadura

Ontem, 26 de junho, saiu na Revista Úrsula o segundo artigo de minha série de reflexões sobre os impactos culturais do que eu chamei de “evangelismo” da Jornada do Herói entre os escritores. Não sei se terei espaço lá para publicar a terceira parte, se for o caso, ponho-a no Letras Elétricas mesmo. De qualquer…

A Era da Legoratura

Em 19/06/2019 a revista Úrsula publicou este meu artigo que aborda a questão da utilização da Jornada do Herói como uma ferramenta de criação em vez de uma forma de análise. Recomendo fortemente que você leia e comente lá. Haverá uma segunda parte.

Porque a música pop é “ruim”

Pela própria definição do termo, a música “pop” tem de ser ruim. Se por algum motivo o pop se torna bom, imediatamente adquire outro rótulo. Adicionado (como os subgêneros do rock) ou em substituição ao anterior, como a “black music” dos anos 1960 e 1970. Em qualquer forma de arte, o “pop” é a lata…

Arte Para Quem Goste de Arte

Às vezes nos perguntamos por que é tão difícil entender a arte moderna. É uma dúvida justa, visto que nem mesmo os que dizem entendê-la conseguem explicá-la. A impressão que temos é que o gosto dos amantes da arte é uma maçonaria mais impenetrável. Creio que isso ocorre basicamente porque a arte não é feita…

A Defesa da Jornada do Herói Através de Falácias

Falácias são erros lógicos em uma argumentação. Um argumento bem estruturado e válido precisa basear-se em elementos reais (postulados válidos) e ter uma relação clara de causa e efeito entre as premissas (as etapas do argumento) e a conclusão final. Quando, mesmo com postulados verdadeiros, a conclusão é absurda, temos um erro de lógica, a…

O Mito da Acessibilidade

Uma das maiores polêmicas em que os jovens autores se envolvem é a questão da “acessibilidade”, um termo muito mal empregado no contexto da edição de livros. Teoricamente, o termo se refere a meios através dos quais pessoas deficientes de algum sentido teriam acesso a um lugar ou conteúdo. Por causa da acessibilidade existem os…

O Editor Superstar

Esta semana o jornal O Globo publicou matéria sobre Gordon Lish, editor americano que em certa época editou a Esquire. A matéria é extremamente interessante para amadores como eu, mas para profissionais também. Acredito que há muita reflexão produtiva que se pode fazer a partir do conteúdo. A primeira impressão que o texto me deixou…

Tudo Seria Válido em Literatura?

A relatividade dos gostos literários vigora no presente, mas não no passado. Porque gosto é algo relativo, é verdade, mas o que define o valor absoluto de uma obra é aquilo que vai além do gosto. As obras que se limitam a atender gostos presentes são esquecidas à medida que os gostos mudam. Mas há…

Os Oportunistas Atacam Novamente

Após a morte do ator e produtor mexicano Roberto Gómez Bolaños; criador dos personagens Chaves, Chespirito, Chapolin e outros menos conhecidos; a imprensa nacional ecoou uma série de elogios disparatados, que não condizem com a importância limitada do homenageado — que, malgrado seu apelido, não é nenhum Shakespeare moreno. Da mesma forma, surgiram artigos pretensiosos;…

Sobre Inveja e uma Crítica “Razoável”

Minha recente apreciação, ou melhor, “depreciação”, da obra do tal Raphael Draccon atraiu pelo menos uma contestação. Segundo certo comentarista no blog LitFanBR, que reproduzira minha postagem, a crítica que eu fiz à obra de Draccon teria sido motivada pela “inveja”, entre outras considerações. Este post não pretende desqualificar os citados comentários, mas apenas esclarecer…