Quatro Vezes Amor

O rapaz se aproxima de sua amada à moda antiga, apesar do velho tênis e da calça desbotada. Vem com as mãos nos bolsos e fingindo uma timidez fora de moda, parte do ritual. — Amor eu preciso lhe dizer uma coisa. — Sim, querido. Ele se ajoelha como numa ópera bufa e abre uma caixinha revestida de veludo azul. — Quer se casar comigo? A moça pega o objeto e o contempla: — Nossa, querido! Que lindo! Que lindo! Quatro cores! Amarelo, ciano, magenta […]

Dois Lados

Toda fotografia tem uma história O lado de dentro, o lado de fora. Toda cena conserva a escolha Do olho atento de quem a olha. Aquém da camada de cor, De cá onde estás, espectador, Esteve um outro, vivendo real O instante estático, artificial, Cujo calor o vermelho não tem. Se a lente jamais se inverte, O olhar se fixa numa forma inerte, Porém a foto contém uma história, Perdida além do limbo da folha Incapaz de mostrar dentro dela O que máquina nem mesmo […]

Zumbis e Vampiros Mordendo-se

Ao contrário do que possa parecer, esta postagem não foi, de nenhuma maneira, inspirada pelo conto “O Ataque dos Zumpiros“, de Alec Silva, mas escrita em 29 de março de 2016 como resposta a uma pergunta do Quora.com Se um vampiro é mordido por um zumbi, nada de realmente bom pode acontecer. Mas o que realmente acontece vai depender de que tipo de vampiro falamos, e de que tipo de zumbi. Comecemos, então, por definir ambos. A) O Vampiro Vampiro da mitologia balcânica e eslava […]

Ora, Pombas!

A pomba pousou no teto do casebre que o artista tentava desenhar. Ele agitou os braços na direção dela, como se quisesse estapeá-la, mas em vão, e logo se conformou que não conseguiria proibir pássaro nenhum de pousar nos tetos para descansar de suas aventuras. Então pegou e comeu uma das batatas cozidas que ainda restavam no prato do almoço que mal tocara. Quando olhou de volta, havia outra pomba pousada ao lado da outra e então desejou apagar toda pomba de cada teto. Começou […]

“Riding the Lightning”

A primeira impressão de que eu estava no começo de algo estranho foi quando ouvi um tinir metálico vagamente ritmado. Logo acompanhado por vibrações graves e um zunido agudo que ia e vinha, numa oscilação que me pareceu familiar. Eu caminhava por uma rua estranha, muito ampla, com uma linha férrea à minha esquerda e uma linha de edifícios que, parede a parede, muravam o horizonte. As pessoas ao meu redor se vestiam para um frio moderado e não pareciam ouvir as mesmas sensações musicais […]

O Ano do Gato

> Minha última participação no desafio EntreContos (aqui repostado com algumas correções de erros percebidos após a inscrição). O tema do mês era “histórias baseadas em música” e eu o ataquei utilizando como base para um conto a letra de “Year of the Cat”, sucesso de Al Stewart em 1975. Fiz isso porque a letra, em si, já continha o embrião de uma história. > Não é um texto de que eu particularmente me orgulhe (e eu nunca o antologizarei porque tenho sérias dúvidas sobre […]

Por Causa do Mau Tempo

Fechou-se o céu e eu me sentei para lembrar, ouvindo a água calma pipocando impulsos grossos no papel surdo que esqueci debaixo da goteira. Em algum lugar Jacinto se despede, insípido como consegue, e Fabiana está em casa retocando unhas e atormentando os pelos. Todos esperam que esteja um dia lindo quando o sol cantar nos galhos e as asas dos anjinhos ruflarem pela igreja, assustadas com o arrastar arrítimico do zelo apressado. Amanhã se casarão depois de dar-se as mãos por tanto tempo que […]

Injustiça Poética

Escutei as sirenes logo abaixo da minha janela e me levantei para ver. Continuava em silêncio a casa do outro lado da rua. Tinha estado assim durante os últimos doze minutos, contados no relógio. O policial apeou da viatura e foi até a porta, que dava diretamente sobre a calçada. Bateu sem educação, conforme a situação exigia. Ninguém respondeu, as luzes continuaram apagadas. — Abra essa porta, ou vamos soprar, soprar… … — O que aconteceu com você, querida? Ela não respondia. Timóteo estapeou-lhe o […]

Desencontro Marcado

Um dos mais antigos contos meus, datado de 2000 ou 2001 e recuperado de um arquivo perdido numa pasta esquecida de um HD que eu nem sabia que tinha mais. Um conto escrito para uma pessoa que nunca mais verei (a moça da banca de jornais é alguém que conheci, há muito tempo, em uma praça que não existe mais, em São João Nepomuceno). Fiz as malas à noite, enquanto todos dormiam, para a definitiva volta para casa. A noite de sexta não fora como […]

Branca de Neve no Século XLIV

Meu nome será “Leon”. Não lhe darei outro. Mais detalhes não importam. O que já vou lhe contar será suficiente para me causar problemas demais na vida. De qualquer forma, não é muito importante saber quem eu sou. Saiba apenas que eu sou um estudioso de línguas antigas. Esta especialidade me levou a trabalhar no Projeto. Precisavam de alguém que fosse capaz de interagir com os reanimados. Formei-me em Línguas Mortas na Universidade #2, no Continente Ocidental. É uma profissão sem prestígio. Línguas mortas não […]

Nova Série: O Preço da Passagem (Introdução e Índice)

Em fins de 2008 compartilhei na comunidade literária “Novos Escritores do Brasil” um texto curto intitulado “Ticket to Ride” (infelizmente perdido) no qual eu desenvolvia uma curta história sobre dois (ou quatro) subversivos perseguidos pela polícia nos tempos do regime militar. Este texto, após uma extensa revisão, acabou saindo na coletânea “Sinistro”, da Editora Multifoco, em uma versão condensada que nunca me satisfez plenamente (nada por culpa da editora, apenas percebi tardiamente que o conto precisava de um desenvolvimento mais completo, e que a versão condensada que eu mesmo fizera não conseguia ter a força necessária).A condensação que fiz, a pedido do +Frodo Oliveira, editor da coletânea, aproveitava o desfecho que eu escrevera para uma versão anterior do conto, e tinha cerca de 30% de texto a menos. Na época eu achei que era uma boa opção, pois eu tinha medo que o texto ficasse ilegível de tão grande (hoje em dia já tem quem fale em “literatura no twitter.com”). Hoje mudei de ideia, e por isso aqui estou restaurando a versão original, imensa e mais complexa.Sobre esta complexidade, um dado chamará a atenção do leitor: existem dois desfechos dentro da história, um passado e um presente, e duas técnicas narrativas que se sucedem. Talvez este seja o meu conto mais ousado em termos de concepção estrutural. Tão ousado que deixou de ser conto e virou uma noveleta (termo que eu não conhecia em 2009, época em que o publiquei na dita coletânea).Parte 1Parte 2Parte 3

Dolores, com Pudores

Vladimir contemplou um raio de sol nadando no copo de cerveja e sentiu a leve pontada de um pequeno espinho no peito, que o fez tropeçar nas batidas como se o relógio histórico tivesse uma engrenagem empenada. Era tarde já, embora ainda nem fossem sete da noite. Tarde para sonhar com Dolores. Então ouviu a voz dela no rasgo de um sorriso e teve vontade de pagar conta e sumir, ou ir embora deixando tudo na pendura, pondo pelo menos uma rua entre ele, Dolores […]