Não Existem Prazeres Simples, Simplesmente Existem Prazeres

Toda mensagem tem um emissor e um destinatário. Conseguir encontrar o tom correto é essencial para que ela seja sequer compreendida, quanto mais apreciada. Em geral as mensagens mais efetivas são aquelas em que o interlocutor não tem de processar informações novas. Porém a escrita não se limita à sua função comunicativa. Há diferentes tipos…

Os erros dos doutores

Por causa da educação tecnicista e instrumental que predomina em nosso país, na qual é mais importante atingir metas tangíveis e quantificáveis (notas) do que obter progressos abstratos (aprendizado), é comum encontrarmos erros em textos de pessoas com educação [supostamente] “superior”. Os erros de que falo são mais do que meros erros de ortografia: referem-se…

Desinformação sobre “Preconceito Linguístico”: Nova Batalha da Guerra da Pós-Modernidade contra a Ciência

O termo “preconceito linguístico” é a bola da vez nos debates dos grupos mais “cult” das redes sociais. Somente nas últimas duas semanas houve três enormes tretas sobre isso no Facebook. Parece que o conceito está finalmente chegando a um conhecimento mais geral — e isso está incomodando certos tipos de reacionários. Em alguns casos…

Fetiches de Tamanho, Qualidade e Exclusividade

Talvez por insegurança, ou por algum traço cultural que eu ainda não mapeei, o brasileiro tem uma necessidade curiosa de enfatizar o tamanho ou a qualidade de tudo o que vê, especialmente do que possui. O Brasil é um país onde não se compra manteiga que não seja “de primeira qualidade”, nem arroz tipo 2,…

As Coisas e os Nomes das Coisas Não Coisam Bem

Em português as coisas têm nomes diferentes conforme o contexto. Nem toda coisa é a mesma coisa na mão de qualquer um, ou em qualquer lugar. Este é um guia rápido para estrangeiros ainda não acostumados aos nossos modos. Mulher rica, quando se veste bem, fica elegante. A pobre, quando consegue, vira perua. Mau gosto…

13 Razões Pelas Quaes a Orthographia Etymologica Não Deveria Ter Sido Abolida

A lingua escripta, nos ensina Marcos Bagno,1 não eh de facto a lingua em si, mas uma idealização da lingua falada em determinado momento de sua historia. Idealização posto que os grammaticos não apenas documentão a lingua conforme a estudão, mas também introduzem inovações, regularizações, simplificações e, lamentavelmente, complicações também. Eh necessario que a lingua…

Das Agruras de se Traduzir com Paixão

Há uma grande controvérsia sobre as qualidades necessárias ao bom profissional. Osten­sivamente os manuais de autoajuda não cessam de mencionar a “paixão” como um tal requisito. Todos dizem gostar e querer profissionais que mergulhem com “pai­xão” naquilo que fazem. Na prática o que eu tenho visto ao longo de minha vida pro­fissional é o contrário:…

Piadas Não Precisam de Desculpas

Não é preciso explicar a piada, se você tenta é porque ela é ruim, ou então quem ouviu é um idiota. E não se esqueça que contar uma piada boa para um idiota é prova de idiotice também: o bom piadista adequa o chiste à capacidade do ouvinte, pois uma piada sobre queijos exóticos e…

Mudança de Vocabulário

Eu juro Sou de um tempo passado, em que cupcake se chamava bolinho, blush se chamava ruge, van era furgão sale era liquidação. Nunca me ocorreu chamar meu amor de love, nem referência de benchmark, nem interessado em stakeholder, nem artigo de paper e nem discurso de keynote. Hoje vivo perdido comendo cigarrette em vez…

Línguas Podem Ser Imaginadas

Tolkien dizia ter um “prazer secreto”, verdadeira motivação por trás da escrita do “Senhor dos Aneis”: inventar línguas. É um passatempo muito antigo, diversão de grandes QIs. Nos seus primórdios, ainda não elevado ao estado de arte, produziu línguas pensadas para serem veículos neutros de comunicação internacional, como o esperanto. Posteriormente, constatada a inviabilidade de tal projeto (pois todos detestam unanimemente o esperanto), os fazedores de línguas passaram a ousar, e surgiram coisas diferentes.