“A Terra da Noite”, pela Primeira Vez em Português

Ontem chegaram pelo correio os meus exemplares de “A Terra da Noite”, romance clássico da ficção fantástica que eu tive o imenso prazer de traduzir pela primeira vez para a língua portuguesa e que foi publicado pela Clock Tower. Corri a arrebentar impiedosamente a embalagem para tocar os livros, finalmente, depois de dois anos de espera. À parte a sensação de prazer quase infantil ao desempacotar livros, mais uma vez eu quase corto o meu dedo no estilete, este momento foi especial para mim por […]

O Reino Esquecido

Como você faria se tivesse diante de si um frágil indício de algo importante a respeito do passado? Esse é o dilema enfrentado pelo jovem Jacques Erhardt, e que vai levá-lo a muitas frustrações. Ao mesmo tempo, conhecemos Raimundo, um jovem absolutamente detestável que deseja aventuras a todo custo. Como seus destinos se encontrarão? Após longos dez anos de gestação (que incluíram um período de cinco ininterruptos de abandono), está na Kindle Store o romance “O Reino Esquecido”, a minha primeira tentativa de romance sobre […]

Notas da Tradução de “A Terra da Noite”

Texto introdutório que pretendo incluir na publicação de minha tradução de “A Terra da Noite”, de William Hope Hodgson, que estou por terminar. Esta é a tradução possível para “A Terra da Noite”. Não é uma tradução literal, embora não chegue a ser uma “recontagem” como as antigas publicações de clássicos da literatura feitas pela Ediouro. Há um provérbio italiano segundo o qual os tradutores são necessariamente traidores, seja da forma seja do espírito do original com que trabalham. Traduttore, traditore e o que resta […]

No Açougue das Ideias

Começo a semana pensativo sobre muitos problemas pessoais, entre os quais um resfriado desses de ficção científica, e me deparo subitamente com mais chorumelas sobre como os escritores nacionais, tadinhos, são maltratados pelos leitores nacionais. O tema não é novo e nem é simples, o que é simples é a constatação de que muitas lágrimas já foram choradas nesse velório e ninguém enterra o defunto. Nem pretendo eu, não hoje, mas começo a “dar uns toques” às carpideiras de que é hora de fechar o […]

O Mundo Fantástico de H. P. Lovecraft!

Gostaria de ter blogado isto antes, mas a rotina corrida dos dias úteis me impediu. Nesta quinta feira chegou às minhas mãos o meu exemplar da antologia “O Mundo Fantástico de H. P. Lovecraft”, da qual participei traduzindo nada menos do que cinco obras do mestre americano do horror cósmico: “A Busca de Iranon” (*The Quest of Iranon*), “O Habitante das Trevas” (*The Haunter of the Dark*), “Um Sussurro na Escuridão” (*The Whisperer in Darkness*), “O Depoimento de Randolph Carter” (*The Statement of Randolph Carter*) e “O […]

Continuamos Comprando Espelhos

Não é preciso, absolutamente, discorrer sobre as virtudes de nosso sistema educacional. Mesmo porque, tal discurso não seria suficiente para preencher uma postagem. Suficiente para botar a Indonésia no chinelo e galgando um honroso 36º lugar mundial, graças ao fato de não haver dados sobre a maioria dos países, a nossa educação goza de um status de praga do Egito, apesar de, segundo nosso governo, estar “no caminho certo”. Com alguma boa vontade, querendo crer que ele tem razão, eu diria que demos os primeiros […]

Atentado Violento ao Leitor

Dei-me conta disso por causa de um desses movimentos literários altruístas e anticapitalistas que surgiram por aí. Acho que o nome é “Doe um Livro”, ou coisa parecida. Eu estava esperando em uma fila de banco, ocasião em que o bom gosto fica seriamente comprometido e você pode se pegar lendo com interesse o verso de sua fatura de cartão de crédito ou uma brochura publicitária esquecida por um cliente que foi embora. Estava eu justamente desesperado em busca de letras para ler quando uma […]

O Mago e o Insuportável

Reconhecidamente autor de obras insuportáveis para quem efetivamente lê, em vez de comprar para enfeitar estante ou para ter «lições de vida», Paulo Coelho se tornou o pivô de uma curiosa briga na internet nas últimas semanas. Eu, como sempre, marido traído em matéria de notícias culturais, fiquei sabendo só agora. Em uma postagem no Twitter, o Mago chamou de insuportável o novo livro de Mário Sabino. Achei a atitude do mago bastante imoral, embora o livro criticado seja mesmo, provavelmente, difícil de suportar. Para […]

O Mundo Fantástico de Howard Phillips Lovecraft

Edição independente de uma coletânea de algumas das obras mais significativas do mestre americano do horror cósmico. Participei com as traduções de cinco contos: A Busca de Iranon, Um Sussurro nas Trevas, O Inominável, O Depoimento de Randolph Carter e O Habitante das Trevas. A Edição da Clock Tower é um projeto ousado, movido apenas pelo trabalho de voluntários (tradução, revisão, ilustração, projeto gráfico, catalogação) e com a proposta de venda a um grupo fechado de compradores, ele dá à luz um volume que deve, […]

Como Evitar Livros Ruins

Para autores, em sete lições Não os escreva. Se porventura acabar escrevendo algum, jogue-o fora. Se por razões pessoais não conseguir jogá-lo fora, esconda-o. Se tiver de publicar, não faça de seus amigos os seus fregueses. Amizade e negócios não combinam. Se vender a amigos e eles elogiarem, não peça detalhes. Evite a decepção de descobrir que estão elogiando porque são amigos, mas nem leram. Somente se pedir detalhes (oh, ousadia!) e eles disserem coisas que fazem sentido, suspeite que o livro seja mesmo bom. […]

Praia do Sossego — Romance

Após uma gestação demorada e cheia de idas e vindas, finalmente está saindo, pela Editora Multifoco, o meu romance de estreia, Praia do Sossego. Escrito penosamente ao longo de onze anos (entre 1999 e 2010), este livro é importantíssimo para mim, quase um filho, pois contém trechos escritos em cada um desses onze anos (ainda que a revisão final seja entre 2009 e 2010). Trata-se de um verdadeiro testemunho de minha carreira literária, uma obra que contem todas as características básicas de minha ficção e […]

Nossas Escolas Odeiam os Livros

Os professores brasileiros odeiam livros. Desde pequenos os alunos são ensinados a odiar livros e revistas. Não existe uma classe sequer de primário na qual os alunos não sejam ensinados, quase diariamente, a destruir revistas e livros “velhos” para fazer cartazes. Esses pobres livros e revistas são sacrificados como cobaias em nome do conhecimento. Crescem as crianças acostumadas a meter a tesoura no papel impresso. Ao mesmo tempo, temos a apostila, essa descartável publicação que todo ano se renova. A apostila é o conhecimento compactado, […]