Diversos Fins de Mundo

O mundo pós-apocalíptico é um tema recorrente na literatura de ficção científica e fantasia. Não discorrerei sobre os motivos disso, posto que não sou psicanalista e nem crítico literário, mas quando eu mesmo escrevi sobre o tema, foi pelo atrativo de praticar uma abordagem “tabula rasa” sobre o mundo e começar a fazer as coisas funcionarem como eu desejava. Minhas leituras das obras do gênero, porém, me levaram a crer que muitos autores cometem erros impressionantes ao criarem suas histórias, simplificando excessivamente os processos e as realidades derivadas do “apocalipse” escolhido. Este artigo pretende ser uma análise destas limitações, ressaltando que não são todas as obras que cometem estes erros, mas a frequência deles torna útil sua discussão. […]

A Virgem do Sabá

Jovita emba­lava a menina nos bra­ços e Jerônimo as con­tem­plava, entre embe­ve­cido e des­con­fi­ado. Lembrou da noite em que a conhe­cera, não teve receios nem remorsos — sen­tiu-se, na verdade, cheio de orgu­lho de ter sido tão homem e recos­tou na cama, arfando o peito como se os pulmões inflassem dentro de uma estreita gaiola enferrujada e dezenas de nava­lhas subis­sem com a res­pi­ra­ção. Fechou os olhos, igno­rou o cheiro dos remé­dios e dos chás, e sentiu-​se de novo na noite da Serra dos Caramonos.[…]

Não Motivarei Você

É porque as pessoas que adquiriram alguma experiência na escrita conservam o direito de gostar e deixar de gostar, com a única diferença que obtiveram a capacidade de explicar porque. Algumas pessoas ouvem estas opiniões e se ofendem, o que é uma tolice. Haver pensamentos diferentes é normal. Você será criticado, você enfrentará a indiferença e até a hostilidade ao longo da vida. Estes alguns que se sentem ofendidos com as críticas de quem pensa diferente não param a pensar que eles próprios, provavelmente, também […]

À Janela

De minha janela vejo, numa rua do morro em frente, uma moça que desce pela calçada. A distância não me permite conhecê-la, apenas vejo que não é nem muito magra e nem muito alta, que seus cabelos caem pelas costas e que é dessa cor mestiça indefinida e bela. Trajando uma blusa branca do tipo mais usado pelas moças comuns e uma blusa preta de mangas curtas decotada nas costas e – suponho – presa à frente por um lacinho de cordão.[…]

Notas para uma Polêmica Pesada sobre Filologia

Enquanto fazia uma pesquisa sobre os “erros gramaticais de Machado de Assis”, deparei-me com uma afirmação importante de um filólogo conhecido, mas cujo link acabei perdendo: não é só a orthographia que mudou nos últimos séculos (no caso Brasileiro, aliás, quatro vezes), mas também a gramática e a análise sintática. As obras da literatura luso-brasileira dos séculos XVI a meados do século XIX (anteriores a Herculano, Garrett e Castelo Branco) estão cheias de “desvios” em relação à gramática padrão. O que houve? Talvez em uma […]

Brasil, Ano Zero

Normalmente não escrevo aqui sobre futebol, a não ser em ficção, como no recente conto “Gol de Placa, Gol de Pato”, mas vou abrir uma exceção porque tudo hoje foi exceção. A derrota brasileira para a Alemanha foi um resultado sobrenatural, desses que acontecem uma vez a cada milênio. Tão sobrenatural que nunca acontecer nada parecido. E poderia ter sido pior. Diante disso, e sendo cada brasileiro um entendido de futebol, resolvo dar meus pitacos, sem me meter, é claro, a falar de tática ou […]

Engenho e Arte

> Cantando espalharei por toda parte, > Se a tanto me ajudar o engenho e arte. > — Camões. Um dos temas recorrentes nas comunidades virtuais de escritores é a dico­tomia entre talento e técnica, muito embora eu suspeite que tal controvér­sia floresce mais naqueles que não exibem nenhuma das duas coisas. Grosso modo, esta é uma polêmica entre pessoas que acreditam que o mais importante é possuir um tipo de predestinação para a arte e outras que estão certas de que se pode adestrar […]

Gol de Placa, Gol de Pato — Parte 2

Haviam deixado para mim a camisa 2, embora eu fosse pivô, e eu secretamente gostara disso, porque achava que era o meu número de sorte. Comecei o aquecimento enquanto Leleco tomava analgésicos e derramava lágrimas surdas. Meus companheiros de time pareciam não acreditar. — Geraldo, vê se não estraga. — Gente, confiem em mim, quando meu time precisou de mim no torneio, lembrem, eu entrei e marquei três vezes. — Marcou sim, lembrou o Xandão. Entrou num jogo que ganharam de 26 a zero, quando […]

Gol de Placa, Gol de Pato — Parte 1

Ninguém esperava que a Escola Estadual Dr. Norberto conseguisse passar pela fase de grupos do torneiro de futebol de salão dos Jogos Escolares. O time fora montado às pressas, mas conseguiu uma vitórias e um empate, e poderia se classificar para as quartas de final em segundo lugar se mantivesse outro empate com o Colégio Cataguases na última partida da chave, estando já eliminado o Clóvis Salgado e praticamente fora o Professor Quaresma. E todos estavam em pânico pela possibilidade de sucesso. Disse que o […]

Porque Não Escrevo uma Trilogia

É recorrente o aparecimento de jovens que dizem escrever seu primeiro «livro», muitos até prometendo continuações ou declarando que a obra é (ou será) uma trilogia. Não conheço a qualidade destas obras e nem destes escritores, embora suponha, com razoabilidade, que as primeiras são compatíveis com a idade, a experiência de vida e o nível cultural dos segundos. E quando digo isso, devo acrescentar, com algum eufemismo, que não é com muita frequência que nasce um Rimbaud ou um Radiguet. Este desfile de obras de […]

O Crítico e os Crânios de Cristal

Uma das principais características da mediocridade é o seu amor pela unanimidade. O medíocre, não sendo capaz de causar emoções duradouras e conquistar afetos sinceros, tem verdadeira paúra de ter apontados os seus defeitos. Ele ama e deseja um ambiente confortável de camaradagem e reciprocidade, “eu coço as suas costas e você coça as minhas”. Nesse ambiente se busca o aplauso, a maioria é o poder legitimador e uma simples curtida dada por um “mestre” é exibida como um troféu. Uma das funções mais importantes […]