O Crítico e os Crânios de Cristal

Uma das principais características da mediocridade é o seu amor pela unanimidade. O medíocre, não sendo capaz de causar emoções duradouras e conquistar afetos sinceros, tem verdadeira paúra de ter apontados os seus defeitos. Ele ama e deseja um ambiente confortável de camaradagem e reciprocidade, “eu coço as suas costas e você coça as minhas”….

Ai de ti, Literatura Brasileira

Que a maioria dos jovens que pretendem ser escritores carece de significativo talento para escrever, isso eu sempre soube (e frequentemente me incluo nesse grupo de medíocres que se diverte escrevendo, mas nunca vai a lugar algum). O que eu não sabia é que esse problema, ao se fixar e agravar com o tempo, começasse…

Os Novos Autores Não Servem para Nada

Pelo menos é isso que pensam os que se propõem a publicar versões “facilitadas” da obra de Machado de Assis para atingir a um público que não o leria por causa da dificuldade do vocabulário, supostamente. Evidentemente, a ninguém ocorreu que, para aqueles que não alcançam prateleira onde olimpicamente repousam os clássicos, existem outros autores,…

A Casa do Escritor

> Esta postagem é uma obra de não-ficção, que cita e parodia livremente um texto compartilhado na internet, com finalidade satírica e sem fins lucrativos, ancorada na liberdade de expressão e no conceito do *fair use* (embora este ainda não seja consagrado em nossa legislação, já o é em nosso bom senso). Vem aí o…

A Fila Não Incomoda

“A Fila Não Incomoda”: Um Manifesto Contra a Jornada do Herói e em Favor do Direito de Fazer Tudo Errado foi uma série de artigos que escrevi entre maio e junho de 2014, baseada em minhas leituras de alguns artigos críticos do conceito do monomito de Joseph Campbell. Estes artigos foram consolidados neste texto único,…

Alguns Não Podem Ser Belos

A beleza é algo fundamentalmente polêmico. Sendo questão de gosto, é impossível definir um padrão que agrade a cada ser humano. Por isso não há unanimidade nem mesmo em relação a obras de arte consagradas (há quem ache a Mona Lisa feia, por exemplo) e o consenso, quando existe, é mais o produto de um…

Façamos a Literatura Feia

Em um mundo literário no qual o meu modo de pensar é visto como um desvio, uma falta de educação, é reconfortante, de quando em vez, ler alguém que também não se conforma com as nuvens róseas que pretendem predominar na literatura. Gustavo Czekster lavou a minha alma esta semana ao publicar no LiteraTortura [um…

A Qualidade Não É uma Roupa

Alguns críticos de arte costumam detectar a decadência da arte helenístico-romana (e por conseguinte da civilização mediterrânea antiga) justamente no momento em que acontece a separação entre o a construção e o ornamento. Pois aí, a arte deixou de ser vista como uma expressão para se tornar um opcional. O pragmatismo acabou triunfando sobre a…

A Persistência

Minhas lista de links chamou-me a atenção hoje pela coincidência de quase todos os membros dela, exceto o infatigável Sérgio Ferrari, do blog “Astro Miau”, estarem encerrando as atividades. Félix Maraganha já havia abandonado a literatura há cerca de um ano, em um episódio triste, que incluiu jogar no lixo todos os seus originais inéditos…

Por Causa do Mau Tempo

Fechou-se o céu e eu me sentei para lembrar, ouvindo a água calma pipocando impulsos grossos no papel surdo que esqueci debaixo da goteira. Em algum lugar Jacinto se despede, insípido como consegue, e Fabiana está em casa retocando unhas e atormentando os pelos. Todos esperam que esteja um dia lindo quando o sol cantar…

Dicas de Escrita, ou: Porque Escrevo Tão Mal

Escritores escrevem e há uma variedade de gêneros possíveis para a satisfação de todas as categorias de pessoas dadas à gra­for­reia. Versos costumam ser o começo de muita gente, embora hoje tenham perdido parte de sua popularidade para a microficção. A ficção pre­domina, por combinar a atração dos best-sellers com a possibi­lidade de extravasar a criatividade, ou seja, essa capacidade que o jovem tem de reescrever as histórias que leu nos livros ou viu nos filmes. Só com o tempo o autor se revela, a maioria nunca. Daí quem começou poeta pode terminar escrevendo ficção comercial, quem começou escrevendo pornografia pode terminar filósofo. A maioria termina não escrevendo mais.[…]

Phantasmagoria

Guilherme construíra a sua casa sobre as ruínas desconhecidas que ocupavam um excelente terreno urbano. Doze trabalhadores com suas máquinas removeram os restos, arrancaram os arbustos e aplainaram cada metro de chão. A construção teve percalços porque havia quem achasse certa importância histórica no lugar, mas não foi longe a questão: a casa estava esquecida, parecia impossível de recuperar e tinha uma fama de assombrada.